Livro “Alceu Penna e As Garotas do Brasil” ganha nova edição

O livro Alceu Penna e As Garotas do Brasil: moda e imprensa – 1933 a 1975 conta em detalhes os primórdios da moda no país, seu traço singular e a tipologia das letras que estabeleceu e influenciou a imprensa, a publicidade, o design, a moda e o comportamento em todo país.
Escrito pelo jornalista Gonçalo Júnior, o livro mostra como Penna tornou-se o ícone de uma época de grande prosperidade e sonhos para os brasileiros, relata como renovou os vestidos de Carmen Miranda, quando esta rumou para Hollywood com o Bando da Lua e chegou a ser intérprete de Walt Disney.
No final da década de 30, Alceu Penna começou a escrever e ilustrar para a coluna “As Garotas de Alceu”, na revista O Cruzeiro – a mais importante publicação semanal do país. Na coluna, ele abordava os mais variados temas – sérios e mundanos e logo se transformou numa referência para as mulheres modernas pelos 28 anos seguintes.
Suas ilustrações eram utilizadas como referência da moda e o próprio Alceu caprichava na produção, além de difundir os modelos atuais, detalhando as texturas e tramas dos tecidos, evidenciando cores de cada uma das estações. Era também muito importante a referência e sugestões para penteados, e também as frases e atitudes que suas garotas apresentavam eram prontamente adotadas. Ele também utiliza a coluna para despertar a consciência das mulheres diante do machismo e do patriarcado.
O livro revela também que Alceu tornou-se o primeiro e único brasileiro a publicar charges na revista americana Esquire; que seu traço singular e a tipologia das letras que estabeleceu influenciaram a imprensa, a publicidade, o design, a moda e o comportamento em todo país – e o transformaram no ícone de uma época.
Alceu Penna também foi um dos pioneiros das histórias em quadrinhos no Brasil. Entre 1938 e 1941, o artista adaptou para o tablóide O Globo Juvenil, de Roberto Marinho, clássicos da literatura mundial, dois deles com roteiros de Nelson Rodrigues; “Sonhos de uma noite de verão”, de Shakespeare; “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carrol; “Um Yankee na Corte do Rei Artur”, de Mark Twain; “O Fantasma de Canterville”, de Oscar Wilde; e “O Mágico de Oz”, de L. Frank Baum.
Na década de 1950, na revista feminina A Cigarra, de Assis Chateaubriand, em parceria com Álvaro Armando, criou o personagem Marido de Madame. Tratava-se de uma série cujos diálogos eram escritos sempre com rimas, como se fossem literatura de cordel. A série, publicada durante meia década, revelou-se um experimento sofisticado que não seria repetido por outros artistas de gibis durante muito tempo.
Esta biografia ilustrada, lançada originalmente em 2004, ganha uma nova edição, reescrita e ampliada, com mais páginas e incluindo um caderno em cores com uma amostra do que Alceu publicou ao longo de quatro décadas de carreira.
O livro é da editora Manole/Selo Editorial Amarilys.
Preço sugerido: R$ 49,00

Este slideshow necessita de JavaScript.