O excesso de informalidade nos convites via rede social

Anne Hathaway Fancy DinnerEntendo que a geração atual está pouco se lixando para qualquer regra de elegância à nada. Menos ainda para convites para eventos. Ela só irá entender sua importância quando amadurecer e entender as regras do jogo.
Hoje, impera a tal de informalidade. Tornou-se comum a ideia que todo mundo gosta de coisas ‘sem frescura’. Sendo assim, organizadores de evento acreditam no poder das redes sociais. É muito simples: cria-se um evento no FB e convida-se TODO MUNDO. Não importa a qualidade – e, sim, a quantidade. Na cabeça destes organizadores, o sinônimo de sucesso é casa cheia, não importando quem esteja presente. Ledo engano.
O ‘save the date’ enviado por e-mail é uma garantia de sucesso para ume evento de qualidade. Ele possibilita que o convidado se programe. Naturalmente, alguns dias depois, o convite será enviado – seja por e-mail ou impresso. Em ambos os casos, no final do texto, constará a abreviação ‘RVSP’, com um número de telefone ou e-mail, que servirá para confirmar presença. É importante fazer a confirmação, pois é a certeza que seu nome esterá na lista de convidados (lista de convidado na porta é um bom indício da qualidade de um evento – pelo menos, dá uma sensação que os convidados foram previamente selecionados). Atenção: não adianta repassar o e-mail com o convite para amigos ou colegas! Quem enviou o convite, sabe perfeitamente quem são os convidados!
Quanto ao convite impresso, ele continua imbatível como a forma mais elegante para se convidar alguém para um evento. Vai demorar mais alguns anos para perder sua importância. Enquanto existir papel, motoboy ou correio, ele não morrerá!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Mix de frutas secas
Para a geração atual, tornou-se comum entrar no FB, criar um ‘evento’ e convidar TODO MUNDO DO BAIRRO. Não estou me referindo a ‘happy hour’, ‘churrasco na laje’ ou ‘aniversário para íntimos’ – nestes casos, ele é bem funcional. Eu me refiro a eventos diferenciados.
Semanalmente, recebo convite via FB – principalmente para ‘coquetel’ em loja ou livraria. Há alguns anos, todo empolgado em achar que estava sendo ‘lembrado’, aceitava. Sem exceção, todos foram uma droga. Espumante doce e quente, assim como as outras bebidas, água em copo de plástico e mix de frutas secas é o top. Para dar uma adocicada, brigadeiro – piora quando é entregue por ‘alguém’ (não lembra aquelas ‘tias’ de festa infantil que funcionam como xerife de quem irá pegar muito mais do que o permitido?). Já participei de evento que simplesmente não tinha bebida. É verdade. Lá pelas tantas, quando o povo estava morrendo de sede, magicamente, surgiram garrafas de água. Quente!
Cocktail
Também tem uma nova modalidade: a pessoa até consegue contratar um buffet estrelado, mas, pelo custo, escolhe o cardápio ‘mais barato’. Sabe aquele que serve pãezinhos recheados e embrulhado, como balas, num saquinhos? Então… Não entendo porque um buffet de primeira linha aceita este tipo de evento!
A única exceção que faço para estes eventos via Facebook: convite de alguém muito querido. Tenho certeza que ele sofreu horrores com um cliente sovina, que não entende qualquer regra de etiqueta, mas quem pessoas de qualidade presentes no evento. De qualquer forma, antes de sair de casa, como alguma coisa.
Hoje, eu aprendi a decifrar um convite. Mesmo assim, com todo o cuidado, caio em furada. Mas, estes convites via FB, dependendo de quem envia, não perco meio minuto para ler. Eu simplesmente recuso. Se possível, ainda bloqueio a pessoa para não me enviar mais este tipo de coisa.
Sei que posso parecer chato, mas, se alguém quiser minha presença, precisa aprender, minimante, saber me convidar.
(Artigo: Jorge Marcelo Oliveira)