Artigo: um olhar sobre o estilo da mulher campineira

Fashion-Illustration1Ao analisarmos determinados grupos, é importante levar em consideração o ponto de referência, principalmente quando o assunto é estilo.

Pensando num todo, a cultura de moda no Brasil é muito prematura, está em fase de crescimento e ainda é mal entendida por grande parte da população. Talvez pelo fato de o Brasil ser um país rico em diversidade e cada região possuir estilos de vida completamente diferentes, desde a linguagem até moda, música e arte, fique difícil definir algo que agrade os brasileiros em geral.

Fashion Illustration by Igor LukyanovDos quatro cantos da pátria amada, o que mais busca a liberdade de estilo é o Sudeste. O folclore não é tão presente, a referência internacional é grande pelo fato de São Paulo e Rio de Janeiro – as capitais da moda aqui – fazerem parte dessa região.

De qualquer forma, isso não significa nada. A miscigenação pode ajudar ou atrapalhar a liberdade. Em Londres funciona bem, aqui nem tanto. Campinas, por exemplo, é uma cidade grande, sempre comparada à grande capital vizinha, seus cidadãos são considerados extremamente exigentes e geralmente tudo é testado por aqui antes, porque, se agradar, é sucesso na certa.

?????????????????????????Apesar disso, quando o assunto é moda, a situação é diferente. Primeiro que o mercado fashion na cidade praticamente não existe, não há oportunidade, faculdade e profissionais qualificados. Segundo que o estilo das campineiras é indefinido e extremista.

Pessoas arrojadas e bem vestidas são raridades, geralmente ficam em pontos nobres da cidade como Cambuí e shopping Galleria, frequentados pelas classes A e B+, que possuem recurso, referência e bom gosto (pero no mucho). Porém, dinheiro nem sempre é sinônimo de beleza. Há muita mulher rica por ai que não tem um pingo de noção do que está fazendo, principalmente as emergentes.

A questão é: se vestir bem requer atenção, paciência e auto avaliação. Comprar uma roupa de marca não torna uma pessoa bem vestida, se a mesma não souber sustentar a peça. Pode parecer maravilhosa na manequim 36, porém não terá o mesmo efeito no seu bumbum 48. Isso é o básico. Não digo que apenas mulheres magras se vestem bem – até por que, ter uma barriga chapada não significa que é legal sair por ai mostrando-a pra todo mundo.

Fat Woman IllustrationO que mais se vê nas ruas são mulheres desleixadas, sem um mínimo de bom senso e noção de estilo. Ninguém quer transformar as calçadas em passarelas, mas toda mulher deveria saber que não há pessoas feias, apenas mal vestidas.

As três dicas básicas pra quem quer se vestir melhor são: encontrar seu estilo próprio, conhecer as proporções do próprio corpo e ter bom senso que é essencial para equilibrar o quê e onde você está usando determinada roupa.

Skinny WomanMenos é mais, se você tem barriga, não use calças baixas, por exemplo, porque deformam o corpo e não valorizam o que você tem de bom. Procure não usar roupas justas, decotadas, transparentes e curtas ao mesmo tempo, é vulgar e não tem nada de sexy.

O apelo aqui não é pedir muito, ninguém precisa ser uma expert no assunto, apenas entender que liberdade de estilo é liberdade de usar a cabeça para valorizar os pontos positivos, não os negativos. Já disse e repito, moda não é o que usar, mas como usar.

(Artigo de Bruna Said Miguel, autora do blog Chá das Cinco | Foto: Divulgação)