Vacheron Constantin apresenta relógios em homenagem à arte do mosaico

Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação
Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação

A Vacheron Constantin lança a segunda série da coleção Les Univers Infinis, da linha Métiers d’Art.

Inspirada nas obras do artista holandês Maurits Cornelis Escherde, ela é uma homenagem à expressão gráfica da técnica da colocação de “tesselas” para a formação do mosaico.

A série numerada é limitada a 20 relógios para cada modelo, certificados com o Selo de Genebra. As peças ainda são acompanhadas por uma pulseira de couro de alligator Mississippiensis costurada à mão na cor preta.

Em ouro branco 18K, todos os relógios são dirigidos pelo Calibre 2460, um movimento mecânico automático completamente criado e desenvolvido pela Vacheron Constantin que indica horas, minutos e segundos centrais. Em adição à sua confiabilidade, ele tem acabamentos manuais feitos de acordo com as melhores tradições da alta relojoaria.

Relógio Anjo

Relógios Anjo da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação
Relógio Anjo da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação

No mostrador deste modelo, anjos e demônios enfrentam um contraste que é tanto simbólico quanto estético. Os primeiros estão na luz, os últimos na escuridão, mesmo assim nenhum dos lados parece prevalecer em relação ao outro. Inspirado pela pesquisa conduzida por Maurits Cornelis Escher no “limite circular” – envolvendo uma decoração composta de elementos multiplicados infinitamente que irradiam de um ponto central – o relógio retrata essas respectivas figuras por meio da combinação sutil das artes de gravação, esmaltagem e guilloché, usando habilmente efeitos de espelho, como profundidade e brilho.

Relógio Anjo da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação
Relógio Anjo da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação

Trabalhando com uma base em ouro branco, o artesão responsável pela gravação traça primeiro os contornos das figuras e então cria os espaços vazios usando a técnica champlevé. Em seguida vem a gravação em cobre, que define os detalhes dos demônios. O artesão preenche as cavidades que estavam vazias, uma operação que requer infinita precisão nessa simetria repetitiva do padrão, que não pode tolerar o menor defeito. Depois de várias queimas no forno, durante as quais as cores cinza e azul são progressivamente fixadas no lugar, o artesão aplica uma camada final de esmalte transparente para acentuar a profundidade dos temas gravados.

O artesão responsável pelo trabalho de guilloché entra em ação, então, para elaborar as vestes e as asas do anjo pelo entalhe paciente do material colorido. O trabalho guilloché no modelo esmaltado é feito na última fase, justamente devido à extrema complexidade da operação, uma vez que qualquer deslize da ferramenta poderia comprometer o precioso trabalho de toda uma equipe de artesãos. Ref.

Relógio Lagarto

Relógio Lagarto da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação
Relógio Lagarto da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação

Vermelho, marrom, com joias ou tons de prata, os lagartos tomam conta do mostrador para criar um efeito animado cativante. Inspirado pela litografia nomeada de Reptiles do artista holandês, o relógio ganha vida sob o efeito entremeado de quatro artes decorativas ancestrais.

O artesão responsável pela gravação começa seu trabalho escavando o tema em uma base de ouro amarelo. Então, o artesão responsável pela esmaltagem preenche os lagartos seguindo o sul com o esmalte na cor taupe, enquanto aqueles em direção ao oeste são revestidos em vermelho carmesim. O artesão responsável pela colocação das joias, por sua vez, escolhe adornar a pele de certos répteis com diamantes em cortes redondos e, finalmente, o mestre no trabalho guilloché dá vida aos lagartos restantes com destreza, destacando-os em suas pequenas escalas, que medem apenas alguns décimos de milímetros.

Relógio Cavaleiro

Relógio Cavaleiro da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação
Relógio Cavaleiro da Coleção Les Univers Infinis da Vaucheron @ Foto Divulgação

Os majestosos cavaleiros otomanos montam seus cavalos orgulhosamente no mostrador trabalhado em padrão de marchetaria com ouro e madrepérola. As cores brilhantes dos materiais se misturam em perfeita harmonia.

A arte da marchetaria tem sido praticada desde tempos imemoriais. Os egípcios a usavam na forma de pedras preciosas e marfim incrustado em estojos de cosméticos e móveis. Na Idade Média, Veneza e o Império Bizantino exportavam objetos de luxo para o Ocidente com temas geométricos em preto e branco criados por marchetaria com ouro, marfim ou madrepérola em madeiras envernizadas com uma variedade sutil de tons do mais claro ao mais escuro.

O artista de marchetaria cria um objeto particularmente complexo ao ajustar dois materiais diametralmente opostos. Cada cavaleiro é primeiro cortado do ouro e da madrepérola antes de ser meticulosamente montado, como um quebra-cabeça, em uma base de ouro. Não há lacunas visíveis entre as figuras – um desafio difícil de fato com um espaço tão pequeno. A madrepérola exige atenção extrema, pois é muito frágil e deve possuir a combinação perfeita de espessura, cor e formato, suavemente combinando curvas e linhas retas, a fim de seguir as linhas da sua contraparte em ouro. No fim do processo, o artesão responsável pela gravação aperfeiçoa os cavaleiros e os cavalos ao escavar os detalhes de suas anatomias.