Oscar 2016 | Sobre o boicote e os atores negros

Artigo do Publisher Jorge Marcelo Oliveira
Jorge Marcelo Oliveira - Perfil - Agosto 2014
Jorge Marcelo Oliveira @ Juliano Silveira

O talento de um ator se mede por um Oscar? Se for o caso, como explicar que Glenn Close, Viola Davis, Johnny Depp, Leonardo DiCaprio, Laura Linney, Sigourney Weaver, Samuel L. Jackson, Annette Benning, Ed Harris, Ian McKellen, Richard Burton, Marcello Mastroianni nunca venceram? Por outro lado, Gwyneth Paltrow, Sandra Bullock, Jennifer Lawrence, Reese Witherspoon, Roberto Benigne, Marisa Tomei, Halle Berry, Renée Zellweger e Cuba Golding Jr, sim?

Oscar é prêmio da indústria de cinema de Hollywood. Acreditar que ele seja algum termômetro de talento é tolice. Se fosse assim, Alfred Hitchcock, um dos maiores cineastas da história do cinema, deveria ter vencido pelas direções nos clássicos ‘Um Corpo Que Cai’, ‘Psicose’, ‘Os Pássaros’, ‘Ladrão de Casacas’ e ‘Uma Janela Indiscreta’, obras obrigatórias em qualquer aula de cinema como referência de maestria de direção. Pois bem, ele nunca foi premiado. Como consolação, a Academia deu um prêmio honorário em 1968, quando sua carreira estava em franca decadência.

Halle Berry Vogue Set 2010 (3)
Halle Berry @ Vogue
O mesmo vale para os atores citados, donos de, pelo menos, umas três grandes atuações no cinema, que foram dignas de prêmios. Por outro lado, você acha que Halle, Gwyneth, Reese ou Renée sejam melhores que Glenn Close, Annette Benning, Sigourney Weaver, Laura Linney ou Viola Davis? Faz favor!
Falando em Viola… O assunto da temporada foi a acusação que o Oscar 2016 não colocou nenhum ator negro entre os concorrentes como protagonistas e coadjuvantes. Pois bem… Mas qual ator negro ou atriz negra tiveram desempenhos que foram esquecidos neste ano?
Atores
No dia que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou os concorrentes ao Oscar 2016, a atriz Jada Pinkett Smith (que depois de anos tentando ser atriz de cinema, encontrou o sucesso como a vilã Fish Mooney, na série ‘Gothan’) gritou nas redes sociais que iria boicotar a festa pela ausência de negros entre os indicados. Era óbvio que ela estava despeitada, pois seu marido, Will Smith poderia concorrer pela atuação em ‘Um Homem Entre Gigantes’. Entenda: assiste ao filme e garanto que sua atuação não passa de mediana, assim como seu talento. Depois dela, o marido e o diretor Spike Lee também avisaram que irão boicotar.
Jada Pinkett Smith como Fish Money na série Gothan @ divulgação
Jada Pinkett-Smith na série Gothan @ divulgação
Aí, fiquei curioso e fui pesquisar nas listas do SAG, Globo de Ouro, Critic’s Choice Award, além das associações de críticos dos EUA quais nomes de atores ou atrizes negras foram esquecidos. Surgiram Idris Elba, por ‘Beasts of No Nation’ e Michael B. Jordan, em ‘Creed: Nascido para Lutar’.
‘Beasts of No Nation’ foi o primeiro longa-metragem de ficção do Netflix e teve um desempenho sofrível nas 31 salas de cinema independentes que estreou, fazendo uma bilheteria de pouco menos de 50.699 mil dólares. Ok, fracassar nas bilheterias não significa não ser lembrado pela academia. O problema, porém, é que o filme estreou de forma simultânea na plataforma online e nos cinemas. Os acadêmicos entenderam que este critério o colocava fora das disputas. Por outro lado, tanto o Globo de Ouro, quanto o SAG Award, lembraram-se da atuação de Idris. E para alegria geral, Idris levou dois prêmios no SAG Award: como ator coadjuvante neste filme e como ator principal na Minissérie ‘Luther’. Foi histórico, pois foi a primeira vez que um ator negro leva dois prêmios numa única cerimônia.
Idris Elba na série Luther @ divulgação
Idris Elba na série Luther @ divulgação
Quanto a Michael B. Jordan, o protagonista da enésima continuação de ‘Rocky, o Lutador’, que ganhou o nome de ‘Creed: Nascido para Lutar’, digamos que, sim, ele não é ruim, mas achar que sua atuação merece prêmio só na cabeça de gente que não entende de cinema.
Não satisfeito, fui mais a fundo para saber o que atores negros do primeiro e segundo time de Hollywood andaram fazendo em 2015?
Depois de dois anos ausentes das telas, Denzel Washington (Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por ‘Tempo de Glória’, em 1990 e Melhor Ator em ‘Dia de Treinamento’, de 2001) está rodando ‘The Magnificent Seven’, sem data de estreia. Morgan Freeman (Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em ‘Menina de Ouro’, de 2004) esteve na comédia ‘Ted 2’, na aventura ‘Last Knights’ e na ficção ‘Momenton’, porcarias que ele fez para pagar as contas do mês. Ele também esteve em duas séries de TV. Apesar do ‘overacting’, Samuel L. Jackson até poderia enganar em ‘Os 8 Odiados’, mas não dá para leva-lo a sério, numa atuação caricata sob o comando de Quentin Tarantino, que costuma deixar seus atores se auto representarem. Raramente isto dá muito certo.
Oscar 2015 Chiwetel Ejiofor veste Prada @ Getty
Chiwetel Ejiofor no Oscar 2014 @ Getty
Um dos nomes mais fortes dos últimos tempos, Chiwetel Ejiofor ganhou a consagração por ’12 Anos Como Escravo’, ganhando indicações ao Oscar, Globo de Ouro e SAG Award e premiado no BAFTA (principal prêmio do cinema britânico) e em dezenas de associações de críticos americanos. Ano passado, mesmo com quatro filmes (o mais conhecido é ‘Perdido em Marte’), suas atuações não tiveram destaque. Para 2016, ele será o vilão Barão Mordo em ‘Doutor Estranho’, que estreará em novembro.
Premiado com o Oscar em 2006 por ‘O Último Rei da Escócia’, Forest Whitaker entrou para seletiva galeria de poucos atores negros que ganham o prêmio na categoria principal. Antes dele, apenas Sidney Pottier (‘No Calor da Noite’, de 1967) e o citado Denzel, em 2001. Mesmo assim, ele patinou em diversas participações em séries de TV, como ‘ER’, ‘The Shield’, ‘American Dad’, ‘Criminal Minds’ e ‘Criminal Minds: Suspect Behavior’, além de participações em filmes inexpressivos. Ano passado, ele teve um pequeno papel em ‘Southpaw’, drama esportivo estrelado por Jack Gyllenhall, que passou em brancas nuvens. Para 2016, ele está envolvido em cinco projetos, incluindo o remake da famosa minissérie dos anos 70, ‘Raízes’, que promete. 
No Oscar 2015, um dos injustiçados foi o ator inglês David Oyelowo pelo papel de Martin Luther King no filme ‘Selma’. Ele nem entrou na lista (isto sim poderia ter rendido um boicote….), mas foi indicado ao Globo de Ouro e ganhou alguns prêmios de associações de críticos americanos. Ano passado, participou do Thriller ‘Reféns’, ao lado de Kate Mara e foi a voz de um personagem no desenho animado ‘Star Wars Rebels’. Nada de marcante. Para 2016, ele está em quatro filmes, entre eles, o aguardado ‘Nina’, onde interpreta o agente da cantora Nina Simone (papel de Zoe Saldana, que pode, finalmente, provar se tem algum talento dramático).
Além dos três citados, não teve qualquer outro papel de destaque de jovens atores negros.
Atrizes
A melhor atriz negra de Hollywood dos últimos 50 anos, Viola Davis, brilha na segunda temporada da série de TV ‘How To Get Away With a Murder’, dando aulas semanais de atuação, deixando todas suas colegas da televisão no chinelo. Pelo papel, levou dois SAG Awards e um Emmy, além de indicações ao Globo de Ouro, Critic’s Choice Awards e People’s Choice. Nas telonas, ela esteve em ‘Lila & Eve’, ao lado de Jennnifer Lopez e ‘Blackhat’, ao lado de Chris Hemsworth, duas atuações sem brilho. Neste ano, sua participação mais louvável será como Amanda Waller no blockbuster ‘Batman v Superman: A Origem da Justiça’, que estreará em março e repetirá o papel em ‘Esquadrão Suicida’, em agosto.
Globo de Ouro 2015 Viola Davis veste Donna Karan @ Getty Image1
Viola Davis no Globo de Ouro 2015 @ Getty Image
Desde o Oscar de Melhor Atriz em 2001 por ‘A Última Ceia’, a carreira de Halle Berry enfrentou altos e baixos. Sucesso de bilheteria como ‘Tempestade’, na saga dos ‘The X-Men’, não teve qualquer atuação significativa desde então. Não foi surpresa que aceitou estrelar a série de TV ‘Extant’, que teve duas temporadas (2014-2015). Sua atuação foi, digamos assim, insignificante. Neste ano, ela voltará às telas com o suspense ‘Kidnap’, sobre uma mãe que faz de tudo para encontrar seu filho raptado. Como o filme começou a ser rodado em 2014 e até agora não estreou… Não dá para esperar muito.
No começo de 2014, o nome de Lupita Nyong’o foi o mais falado da Temporada de Premiações. Era sua estreia nas telas como Patsey no premiado ’12 Anos Como Escravo’, que garantiu todos os prêmios de coadjuvante do ano. Além dos prêmios,  se tornou a queridinha fashion da indústria da moda, aparecendo em diversas capas de revistas, como a Vogue America. Com seu nome entrando no primeiro time, a expectativa de seu próximo filme era grande. Aí… Sim, sua voz esteve no mega hit ‘Star Wars: O Despertar da Força’, mas… Foi um balde de água fria. Para 2016, ela finaliza a participação em ‘Queen of Katwe’, da diretora Mira Nair e, novamente, sua voz estará na animação ‘The Jungle Book’.
Lupita Nyong'o Glamour America (4)
Lupita Nyong’o @ Divulgação
Apesar do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em ‘Histórias Cruzadas’, de 2011, Octavia Spencer não virou estrela do primeiro time. Depois da premiação, fez uma sucessão de filmes sem expressão e participou de três séries de TV, que também não chamaram a atenção. Em 2016, ela voltará às telas em ‘Gifted’, com direção de Marc Webb, onde atua ao lado de Chris Evans.
Apesar da extraordinária atuação em ‘Preciosa’, papel que rendeu o Oscar de Melhor Atriz em 2009 (além de todos os prêmios de crítica americana), a comediante Mo’Nique só voltou a atuar em 2014, em ‘Blackbird’, que ninguém viu. Ano passado, ela esteve ao lado de Queen Latifah no telefilme ‘Bessie’ e em ‘Interwoven’, que passou em brancas nuvens. Neste ano, ela roda ‘A Meyers Christmas’, uma produção recheada de atores negros, como o veterano Danny Glover.
Apesar da presença de Beyoncé, o destaque do musical ‘Dreamgirl’ foi Jennifer Hudson, que levou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 2006, além de dezenas de outros prêmios no ano. Depois, aceitou um papel insignificante em ‘Sex And The City 2’. Depois de um mega regime, voltou sua carreira para a música. Depois, só participou de séries de TV, como ‘Smash’, em 2013, ‘Empire’ e ‘Lip Sync Battle’, em 2015. Tudo sem o menor brilho.
AMA 2014 Uzo Aduba veste Vivienne Westwood
Uzo Aduba no American Music Award @ Getty
Zoe Saldana é uma estrela, mas só. Esteve em ‘O Guardião das Galáxias’, ‘Avatar’ e ‘Star Treck’. Em 2014, foi a estrela da minissérie ‘O Bebê de Rosemary’, remake do famoso filme de terror dos anos 60, que revelou Mia Farrow. Sua atuação foi bem mais ou menos. Percebia-se, claramente, seus parcos recursos dramáticos. Para 2016, ela será a mega temperamental e talentosa cantora e pianista Nina Simone, em ‘Nina’. Será seu teste de fogo, pois é um dos melhores papéis para toda atriz negra. Enfim… 
Outras boas atrizes negras atuais, como Alfre Woodard, Regina King, Angela Basset, Taraji P. Henson, Kerry Washington, Gaborey Sidibe e a citada Jada Pinkett Smith, estão se encontrando em ótimas séries de TV. Destas, quem está ganhando a corrida é a novata Uzo Aduba, a Suzanne ‘Crazy Eyes’ Warren, de ‘Orange Is The New Black’, que já levou dois Emmys e dois SAG Awards pelo papel e prepara sua entrada triunfal nas telas em ‘Tallulah’, ao lado de Ellen Page e Allison Janney, ‘American Pastoral’, estreia do ator Ewan McGregor como diretor, onde atuará ao lado de Jennifer Connelly e Dakota Fanning e ‘Showing Roots’, uma dramédia, onde estará lado de Maggie Grace e Elizabeht McGovern e veterana Cicely Tyson.