Oscar 2016 | Dez motivos para você não perder a festa

Num ano com a maior campanha de boicote orquestrada por Spike Lee, Will Smith e Jada Pinkett-Smith pela ausência de atores negros entre os concorrentes, o Oscar 2016 acontecerá no domingo, 28 de fevereiro, com exibição a partir das 20h30 pelo canal TNT. 
Chris Rock terá a difícil missão de apresentar a festa se controlando para não cair no forte discurso político que pode piorar ainda mais a situação. Não dá para esquecer que, mesmo concordando com o motivo do boicote, ele é o apresentador! Sua carreira pode terminar com uma fala mais agressiva. Se isto não bastasse, ele precisará apagar a imagem constrangedora de Neil Patrick Harris, que na edição passada surgiu no palco usando cueca. Para piorar: a festa teve a pior audiência de sua história.
Chris Rock Oscar 2016
Chris Rock Oscar 2016 @ AMPAS
Enfim… Desejado, criticado, justo ou injusto, o Oscar continua imbatível como o mais importante prêmio americano. Nem Grammy, Emmy, Globo de Ouro ou Tony chegam perto do glamour dos 88 anos da cerimônia de entrega dos Academy Awards. Nas semanas que o antecedem, Hollywood entra numa verdadeira ebulição. Astros e estrelas indicados são colocados numa evidência única. Participam de uma infinidade de programas de entrevistas, almoços e jantares para aproveitar o momento que sua carreira ganha visibilidade. É o momento decisivo para publicitários e empresários venderem seu cliente em troca de ótimos roteiros. Vencendo ou não, todos entendem que, do anúncio ao dia da premiação, eles são os nomes mais quentes da temporada.
MONDO MODA preparou uma lista com “Dez motivos para você não perder o Oscar 2016’.
  1. Nasce uma Estrela: neste ano, Brie Larson e Alicia Vikander são os nomes que saíram da escuridão. Indicadas ao Oscar de Atriz (O Quarto de Jack) e Atriz Coadjuvante (A Garota Dinamarquesa), a americana e a inglesa vivem ‘The Turning Point’ de suas carreiras, ganhando espaço em todas as mídias do planeta. Jovens, bonitas e talentosas, elas esperam se tornar a ‘nova Jennifer Lawrence’.
  2. Falando em Jennifer… Aos 25 anos, a loira de Louisville ganhou 68 prêmios, incluindo um Oscar por ‘O Lado Bom da Vida’, três Globos de Ouro, um BAFTA e dois SAG Awards. Se não bastasse, acaba de ser eleita pela Forbes a atriz mais bem paga do momento, no qual faturou, $ 52 milhões de dólares no período de junho de 2014 e o mesmo mês de 2015. Tudo, graças ao sucesso da saga ‘Jogos Vorazes’ e ‘X-Men’. Nesta edição, ela concorre pela comédia ‘Joy’, que foi massacrada pela crítica e esquecida pelo público (não fez mais do que $ 56 milhões na bilheterias).

    Oscar 2014 Jennifer Lawrence veste Dior Couture2
    Oscar 2014 Jennifer Lawrence veste Dior Couture @ Getty Images
  3. Os looks das estrelas – Os tapetes vermelhos de Cannes, Berlim, Globo de Ouro, Grammy, SAG são badalado, certo? Mas, o Oscar… É o TAPETE VERMELHO! Entenda: todas as estrelas de Hollywood que realmente importam vestirão algumas das mais incríveis criações de moda da temporada. Grifes se estapeiam para conseguir espaço. Uma estrela usando peças da última coleção será garantia de mídia espontânea, que nenhum desfile consegue ter. Se a estrela ganhar um prêmio, sua criação entrará para a história da moda. Tem noção? Neste ano, entre as indicadas, as fashionistas Cate Blanchett e Jennifer Lawrence estão no páreo. São nomes que têm forte ligação com moda. 
  4. Galeria de Derrotados – Será que Leonardo Di Caprio quebra um estigma de derrotado? Desde 1998, quando se tornou um astro internacional por sua participação em ‘Titanic’, Leo tem uma legião de fãs. Com cinco indicações, entre elas por ‘O Aviador’, 2005 e ‘O Lobo de Wall Street’, 2014, ele fazia parte da lista dos ‘Talentosos, mas sem Oscar’, como Johnny Depp, Glenn Close, Edward Norton, Michelle Pfeiffer, entre outros. Neste ano, ele concorre por ‘O Regresso’. Não é uma grande atuação, mas a academia pode acreditar que seu esforço físico de resistência mereça ser reconhecido. 
  5. Melhor Filme? – Existe um continente que separa um vencedor do Oscar do melhor filme do ano. Em sua história, o Oscar não se cansa de premiar obras menores – ‘Guerra Ao Terror’ que abateu ‘Avatar’, ‘O Discurso do Rei’ derrotou ‘A Rede Social’, etc. Para ser mais exato, desde ‘Titanic’, o Oscar não se preocupa em unir popularidade com qualidade no prêmio máximo da noite. Os velhos acadêmicos viajam na ideia que filme ‘sério’ representa os conceitos iniciais da premiação. É uma bobagem sem tamanho, lógico. Ano passado, o excelente ‘Boyhood’ foi derrotado por ‘Birdman’, que era um exercício de estilo de direção que acadêmicos dos cursos de cinema amam, mas o público não. Resultado: ganhou míseros $ 42 milhões de bilheteria, ou seja, nem metade do esperado para um filme de sucesso mediano. Neste ano, a coisa é tensa. O cansativo ‘A Grande Aposta’ levou o prêmio do sindicado dos produtores. É um dos filmes mais chatos dos últimos tempos, além de pouco digerível ao público em geral. Seu maior concorrente também o chatíssimo ‘O Regresso’, que, assim como ‘Birdman’ (do mesmo diretor, Alejandro Iñárritu), vale muito mais pelo grande trabalho do diretor de fotografia (feito com luz natural) do que por outros méritos. Bacana seria as vitórias de ‘Spotlight – Segredos Revelados’ ou ‘O Quarto de Jack’. Por motivos diferentes, são ótimos filmes, com excelentes roteiros e ótimas atuações.Spotlight (2015) @ Divulgação
  6. Brasil no Oscar – Mesmo sem chances, novamente o Brasil está no páreo com animação ‘O Menino e o Mundo’, do diretor Alê Abreu. Mas… ‘Divertida-Mente’ é o franco favorito, seguido de perto por ‘Anomalisa’. 
  7. O reconhecimento tardio de astros e estrelas – A inglesa Charlotte Rampling tem uma atuação discreta, introspectiva e dona de uma genial cena final no filme ‘45 Anos’, contudo, nada tira o prêmio de melhor atriz de Brie Larson. Por outro lado, dificilmente Sylvester Stallone perderá por sua participação em ‘Creed’. Com simpatia, ele repete o papel de Rocky, filme que o projetou à fama em 1976. Mesmo com 40 anos de péssimas atuações, ele foi o grande astro de filmes de ação das décadas de 80 e 90. Os acadêmicos não deixarão de reconhecer sua importância como um nome que deu tanto dinheiro aos bolsos dos produtores de Hollywood. 
  8. Lady Gaga no Oscar – Depois da elogiada homenagem ao musical ‘A Noviça Rebelde’, com elogios da própria Julie Andrews, Lady Gaga volta a participar como concorrente ao Oscar de Melhor Canção por ‘Til it Happens To You’, do documentário ‘The Hunting Ground’, que aborda o aumento de estupros cometidos em campus universitários dos Estados Unidos. Ela escreveu a canção ao lado da compositora Diane Warren, que concorreu ao Oscar sete vezes, sem ganhar nenhuma. É seu o momento Hollywood da estrela da música pop. 
  9. A cara dos derrotados –  é um show ao vivo, ou seja, tudo pode acontecer – Tudo é coreografado e ensaiado diversas vezes. Com uma audiência global de bilhões de espectadores, os produtores não gostam de surpresas. Contudo, apesar do ator ser preparado para trabalhar com ‘emoções’, na hora da derrota, poucos conseguem manter o sorriso amarelo e aplaudir quem tirou seu direito ao prêmio, né?

    The Oscar Goes To... Lupita!
    The Oscar Goes To… Lupita! @ reprodução
  10. Tentar entender os critérios da Academia – Oscar é um prêmio de uma indústria do cinema. Quem elege são acadêmicos com o seguinte perfil: 77% dos 6 mil votantes são homens; 94% são brancos; 64% jamais foram indicados para o prêmio que escolhem; 42% fizeram seu projeto mais recente em 2010; 79% tem mais de 50 anos (dados de uma pesquisa do jornal Los Angeles Times). Entre as bizarrices, Erik Estrada (ator de uma série dos anos 70, chamada CHIPS), é um dos votantes! Ou seja, é um jogo de cartas marcadas. Todo mundo sabe que não é prêmio para o ‘melhor’, é sim, para o gosto da academia. Se fosse por talento, Sandra Bullock, Reese Witherspoon, Gwyneth Paltrow ou Roberto Benigni jamais venciam nem campeonato de truco. Portanto, prepare-se para qualquer tipo de palhaçada!
MONDO MODA fará cobertura online do tapete vermelho. Clique aqui para ver os indicados deste ano.

Um comentário

Os comentários estão fechados.