Grammy 2017 | Melhor audiência dos últimos dois anos

No domingo, 12 de fevereiro, o Grammy 2017 teve sua maior audiência dos últimos dois anos, com a empolgante vitória de Adele (cinco prêmios, incluindo Melhor Álbum, Canção e Gravação do Ano) sobre Beyoncé. Por outro lado, a britânica teve um excelente número de abertura com ‘Hello’, mas desafinou na homenagem a George Michael, numa versão balada da dançante ‘Fast Love’. Com menos de um minuto, a cantora para de cantar, solta um palavrão, explica o que houve e, visivelmente tensa, volta a interpretar.

Grammy 2017 Adele @ Getty
Grammy 2017 Adele @ Getty

Beyoncé, contudo, entrou para a história com um desempenho elogiável, no qual exibia sua barriga grávida de gêmeos, num show com direito a participação de sua mãe e filha.

Os números de audiência foram de 26,05 milhões de pessoas, entre 18 a 49 anos, que, além de Adele e Beyoncé, assistiram as homenagens a Prince (mostrando que Bruno Mars funcionou muito melhor do que Madonna na Billboard Music Award 2016) e George Michael. Lady Gaga fez a roqueira ao lado do vocalista do Metallica – que teve problemas com o microfone no começo da performance.

Tom Político
Uma gigantesca projeção em vídeo da constituição dos Estados Unidos pairou sobre o palco da cerimônia do Grammy de 2017, fazendo da maior premiação da indústria fonográfica do país uma das mais abertamente politizadas da história.

Grammy 2017 Beyoncé veste Peter Dundas @ Getty
Grammy 2017 Beyoncé veste Peter Dundas @ Getty

O documento que define os EUA e começa com a famosa frase “Nós, o Povo” levou a plateia a aplaudir de pé ao final da apresentação da cantora pop Katy Perry, que interpretou sua música de trabalho mais recente, “Chained to the Rhythm”.
Tendo como refrão as palavras “Achamos que somos livres”, a letra da canção fala sobre ser tentado a ficar em uma “bolha confortável”. Cantando diante de uma decoração com cercas brancas perfeitas, Katy teve a companhia de Skip Marley, neto do lendário músico de reggae Bob Marley, autor de muitas canções que protestavam contra a opressão e a injustiça social.
O período imediatamente posterior à agressiva eleição presidencial dos EUA de 2016 rendeu uma sucessão de declarações políticas de artistas em premiações – a mais notável delas foi o discurso da atriz Meryl Streep no Globo de Ouro criticando o presidente Donald Trump.
Essa reação continuou no domingo, quando vários artistas abordaram o clima de divisão política da nação e a necessidade de se pronunciar a respeito.
“Neste momento em particular da história, nossas vozes são mais necessárias do que nunca”, afirmou Jennifer Lopez no início do espetáculo.