Obras de Martin Kippenberger na Galeria Bergamin & Gomide

Enfant terrible da cena punk alemã, Martin Kippenberger (1953-1997) foi um artista que se recusou a assumir uma profissão. Era pintor, escultor, desenhista. Ele também foi designer gráfico e criou centenas de posters e convites para suas exposições.
A mostra “Buying is fun, paying hurts” conta com 171 posters e 180 convites de exposição, numa mise-en-abîme Duchampiana, que acontece até 30 de setembro, na Galeria Bergamin & Gomide, em São Paulo.

Obras de Martin Kippenberger @ divulgação

Outra parte da produção artística de Kippenberger poderá ser vista durante a Semana de Arte que acontecerá entre os dias 17 e 20 de agosto no Hotel Unique, em São Paulo. Idealizada por Thiago Gomide, à frente da Galeria Bergamin & Gomide, em parceria com Luisa Strina, Emilio Kalil e Ricardo Sardenberg, a Semana de Arte registra sua primeira edição. No stand 17 a galeria exibirá um grupo de desenhos feitos em papelaria de hotéis de todo o mundo, colecionado por Kippenberger ao longo de duas décadas. Thiago Gomide pontua que “já estava nos planos fazer uma grande exposição do Kippenberger em São Paulo. Portanto, fazer durante a Semana de Arte foi genial já que a Semana ocorre em um Hotel e o grupo de trabalhos que apresentaremos lá pertence à importante série ‘Hotel Stationary’.”

Martin Kippenberger @ divulgação

 

Rebelde

Dono de uma natureza subversiva, Martin Kippenberger homenageia/debocha de Picasso ao expressionismo Abstrato, passando pela Pop Art e Realismo Socialista. O artista esteve no Brasil entre 1985 e 1986 e criou uma série de trabalhos intitulados ‘The Magical Misery Tour’ em referência à ‘Magical Mistery Tour’, dos Beatles. Uma das obras deste período foi um posto de gasolina que comprou em Salvador, batizado por ele de Martin Bormann Gas Station (Martin Bormann foi um militar nazista que fugiu da Alemanha e, segundo rumores, se instalou no Brasil), exemplo de como o artista coloca o dedo na ferida para trazer à tona verdades abafadas, forçando o expectador a lidar com temas incômodos.

Obra de Martin Kippenberger @ divulgação

Para Antonia Bergamin, sócia da galeria, expor os trabalhos de Kippenberger é introduzir ao público brasileiro um dos maiores artistas da década de 1980 e 1990, ainda pouco conhecido por aqui. “Um artista plural, que nunca teve apreço a regras e que acabou produzindo um dos mais interessantes e surpreendentes conjuntos de obras já visto na história”, explica.

Obra de Martin Kippenberger @ divulgação

Kippenberger atingiu preços astronômicos depois de sua morte (1997): em 2012, um quadro foi arrematado por 3,18 milhões de libras na Christie’s. Ganhou diversas exposições antológicas nos principais museus da Europa e dos Estados Unidos como o Centre Pompidou na França (2002), MOCA e MoMA (2008-2009), Galerie Bleich-Rossi (2007), Bienal de Veneza, entre outros. Na Bergamin & Gomide as obras variam de US$ 10 mil a US$ 100 mil.
Anote: Individual de Martin Kippenberger pela primeira vez no Brasil (Rua Oscar Freire, 379, loja 1- térreo – São Paulo – 11 3853-5800)