Ettore Sottsass – Rebelde e Poeta

Celebrando o 100º aniversário de Ettore Sottsass (1917 – 2007), a exposição no Schaudepot da Vitra, que terminou no último final de semana, trouxe alguns dos principais objetos e mobiliários desenvolvidos por este, que é considerado um dos mais influentes designers do século XX.

Nascido em Innsbruck (Áustria), era filho de mãe austríaca e pai italiano, que também se chamava Ettore Sottsass, um arquiteto modernista, integrante do grupo “Movimento Italiano per L’Architectura Razionale” (MIAR).

Sottsass cresceu em Turim, na Itália, sempre fascinado pelo trabalho do pai, graduando-se em 1939 no Politecnico di Torino em Arquitetura. Pouco após, ingressou no serviço militar, servindo durante a Segunda Guerra Mundial. Juntamente com outros soldados, foi capturado pelos alemães em 1943, quando a Itália declara guerra à sua ex-aliada, sendo preso e depois enviado a um campo de concentração em Sarajevo, onde permaneceu até o fim da guerra.

Exposição Ettore Sottsass @ Ana Paula Barros

Mudou-se para Milão (1946), onde abriu seu próprio estúdio, focado em Arquitetura e Design Industrial, desenvolvendo projetos multidisciplinares em pintura, desenhos, esculturas, mobiliário, cerâmica, fotografia e interiores. Nessa mesma época, tornou-se colaborador da célebre revista Domus.

Entre 1958 e 1974, foi consultor artístico da empresa Poltronova e suas colaborações já demonstravam um senso estético peculiar e inovador. Aos poucos foi reconhecido pelas cores vivas e estruturas não-convencionais para objetos comuns do dia-a-dia.

Paralelamente, era designer-consultor na divisão de eletrônicos da Olivetti, onde contribuiu com o desenvolvimento do primeiro computador italiano mainframe, o Elea 9003. Esse projeto rendeu a Sottsass o prêmio “Compasso d’Oro” em 1959. Mas foi a “Valentine” (1969), uma máquina de escrever leve e portátil, que se tornou o seu projeto mais importante na Olivetti, além de objeto de desejo, considerada um símbolo do Pop Design.

Exposição Ettore Sottsass @ Ana Paula Barros

A década seguinte foi um período de colaborações experimentais e teóricas com grupos de jovens designers como Superstudio, Archizoom Associati e Alchimia. Seu questionamento sobre o consumismo o aproximaram do movimento Radical Design.Eu não queria mais fazer itens de consumo, porque estava claro que a atitude consumista era algo perigoso”, declarou ele.

Sottsass acreditava que o design era uma oportunidade de explorar a natureza da existência humana, não se limitando e nem se restringindo pela forma ou pela função. Desse ideal em busca de significados e de uma renovação estética no design surgiu, em 1980, o grupo Memphis. O nome é uma referência a uma música de Bob Dylan, “Stuck Inside of Mobile with the Memphis Blues Again”, que segundo a lenda, era a trilha sonora da reunião dos designers no apartamento de Sottsass, na noite em que o grupo foi formado.

Exposição Ettore Sottsass @ Ana Paula Barros

As inspirações surgiram dos movimentos Art Deco e Pop Art, com toques futuristas e “kitsch” dos anos 50, resultando em um design único e ousado. Formas geométricas e assimétricas, cores vivas, vibrantes e conflitantes, escalas e proporções exageradas, composições que parecem aleatórias e uso de laminado de plástico. Tudo junto e misturado! Essa linguagem predominou na década de 80, sendo o grupo Memphis considerado o criador dessa estética incrível.

Apesar de serem alvos de críticas, foram bem recebidos pela originalidade no Salone del Mobile Milano (1981). São dessa fase os trabalhos mais icônicos de Sottsass: a estante “Carlton” (1981), as luminárias Ashoka (1981) e Tahiti (1981), e a mesa “Tartar” (1985), que convergem para a consolidação de um estilo pessoal e único.

Exposição Ettore Sottsass @ Ana Paula Barros

O grupo Memphis manteve-se em atividade até 1988, porém, em 1985, Sottsass preferiu focar-se nas práticas de seu próprio estúdio e deixou o coletivo de design. Até hoje, o escritório Sottsass Associati permanece ativo, com sedes em Londres e Milão, mantendo o trabalho e a filosofia do arquiteto e designer. Realizam projetos de Design de Interiores e Industrial para clientes como Apple, Philips, Siemens, Alessi, entre outros. Aos 90 anos de idade, Ettore Sottsass faleceu em Milão.

A exposição trouxe cerca de 30 obras do designer entre objetos, móveis, fotografias e textos. Uma retrospectiva compacta e significativa que permite conhecer o desenvolvimento de suas ideias, em diferentes fases. Suas inspirações criativas vinham de sua curiosidade por diferentes assuntos, temas e disciplinas como literatura, antropologia, arqueologia…

Sua intenção era alcançar conexões mais profundas com o usuário por meio do design, indo além do caráter de consumo, buscando surpreender e emocionar. “Eu tentei o melhor que pude unir os termos de uma nova vitalidade, e, onde e como eu fosse capaz, colecionar as formas, cores e símbolos que poderiam representar a mudança nas imagens deste século de uma organização intelectual para uma realidade que deve ser vivida, um tipo de energia pura e vital”, em suas próprias palavras.

Clique aqui para ver outras fotos da exposição.

Exposição Ettore Sottsass @ Ana Paula Barros

Um comentário

Sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s