‘Queer One-hit Wonder’ – quando o sucesso musical bate na porta apenas uma vez!

‘One-hit Wonder’ é uma irônica expressão usada para classificar o único sucesso musical de um artista. Tipo um ‘mega sucesso’, que atingiu o Top 100 de diversas paradas internacionais, vendeu horrores e mudou a carreira de seu autor. Só que, passada a febre, ele não conseguiu repetir o feito. Morreu na praia após seu único sucesso.

No universo LGBT, Sylvester, Soft Cell, Kon Kan, Sophie B. Hawkins, RuPaul, Dead or Alive e Frankie Goes To Hollywood são alguns exemplos que tiveram seu momento ‘One-hit Wonder’.
Inspirado na ideia do pessoal do site Advocate, a redação do MONDO MODA fez uma edição (com acréscimos e cortes – tipo ‘canções que não pegaram por aqui’).
Confira o resultado:
Lou Reed – Walk on the Wild Side (1973)
No começo da década de 70, sem se preocupar com rótulos, Lou Reed era um músico que se notabilizou por dividir sua cama com homens e mulheres. Uma de suas canções mais famosas era um tributo as travestis Candy Darling e Holly Woodlawn. Famosas no ‘mundinho’ nova-iorquino, eram amigas do artista da Pop Art, Andy Warhol.
LaBelle – Lady Marmalade (1974)
Antes de Patti LaBelle se tornar uma lenda do R&B americano, ela fazia dupla com a cantora e escritora bissexual Nona Hendryx no divertido grupo LaBelle. A canção mais famosa ‘Lady Marmalade’, escrita por Bob Crewe, é uma ode as prostitutas de Nova Orlean, que rapidamente caiu nas graças da comunidade LGBT americana. Quase 40 anos depois, a canção foi regravada por Christina Aguilera, Mya, Pink e Lil’Kim e (novamente) para o filme ‘Moulin Rouge’, em 2001. Ficou em primeiro lugar no Hot 100 da Billboard e ganhou um Grammy de ‘Melhor Colaboração Pop com Vocais’. O videoclipe, dirigido por Paul Hunter, venceu o MTV Video Music Award como ‘Melhor Vídeo do Ano’ e ‘Melhor Vídeo de um Filme’.
Sylverter – You Make Me Feel (Mighty Real) (1978)
Sylvester aprendeu a cantar no coro das igrejas evangélicas de Watts, em Los Angeles. Cansado de ser perseguido por sua orientação sexual, saiu da igreja. Aos 15 anos, morando com a avó, entrou num grupo de gays e drag-queens chamado The Disquotays, que se apresentavam em festas, incluindo na casa de algum amigo, como a cantora Etta James. Nesta época, ele assumiu sua androginia, usando roupas que misturavam os guarda-roupas feminino e masculino. Mudou-se para São Francisco, abraçou a contracultura e se juntou a um grupo de drag-queens chamado ‘The Cockettes’, que apresentava canções de Billie Holiday e Josephine Baker. Foram se apresentar em Nova York, onde a voz dele chamou a atenção e começou a fazer apresentações solo. Pouco depois, ele saiu do grupo e voltou para a São Francisco, onde fez novas parcerias musicais, que não aconteceram. Até que, em 1978, lançou o álbum ‘Step II, em 1978, com o single ‘You Make Me Feel (Mighty Real)’, que entrou em oitavo lugar no Top 10 do Reino Unido. Nos EUA, a canção ficou em #36 lugar no Billboard Hot 100. Também ficou em #20 na Billboard Hot Soul Singles. No início de 1987, Sylvester revelou que era portador do HIV. Sendo criado numa igreja evangélica, quando questionado se pensava que o vírus era algum castigo de Deus por sua homossexualidade, ele respondeu: ‘Eu não acredito que a AIDS seja ira de Deus. As pessoas têm a tendência de culpar Deus por tudo’. Em 1989, a canção uma versão do cantor inglês Jimmy Sommerville, que atingiu o #5 lugar na UK Singles.
Soft Cell – Tainted Love (1981)
Fim da Era Disco, o cantor Marc Almond eternizou sua voz neste poderoso hit que fincava as raízes do electroclash e que alcançou a posição #8 na categoria Pop Singles no chart da Billboard. Trinta anos depois, a pioneira canção continua popular!
Kajagoogoo – Too Shy (1983)
O single da banda pop britânica alcançou o número 1 do top no Reino Unido e o quinto na Billboard. Depois que saiu da banda, Limahl foi o vocalista da canção tema do filme ‘A História Sem Fim’. Se hoje o moço assume sua orientação sexual, no passado, ele escondeu. No livro ‘Mad World: An Oral History of New Wave Music and Songs That Defined the 1980s’, ele contou: “Eu não tinha problema sobre ser gay, mas meu papel como Limahl, meu personagem pop star, tinha que ser mais enigmático. Eu não queria começar a falar sobre sexo em 1983 quando a maioria das minhas fãs eram jovens adolescentes”.
Sam Harris – Sugar Don’t Bite (1984)
Embora estivesse ‘no armário’ na época, Sam Harris foi um dos primeiros que encontrou sucesso depois de participar de um concurso de música na televisão. Após enlouquecer a plateia com ‘Over the Rainbow’, Harris foi o vencedor do programa ‘Star Search’ e alcançou o #36 na Billboard com ‘Sugar Don’t Bite’. Harris teve uma carreira na TV e no Teatro (‘Grease’, ‘The Life’, ‘The Producer’, ‘Jesus Christ Superstar’, Hair, etc). Desde 1994, vive com Danny Jacobsen. Em 2008, eles se casaram e adotaram uma criança.
Frankie Goes to Hollywood – Relax (1985)

Originária de Liverpool, a banda inglesa de dance pop fez enorme sucesso no começo da década de 80, assim como nos EUA. Banida da BBC (“Relaxe, não se segure quando você quiser fazê-lo, relaxe, não se segure quando você quiser gozar”) garantiu cinco semanas consecutivas nas paradas da UK Singles Chart, transformando-se no sétimo single mais vendido na Inglaterra em todos os tempos. O vocalista Holly Johnson vive com seu companheiro Wolfgang Kuhle há 30 anos.

Dead or Alive – You Spin Me Round (Like a Record) (1985)
Antes de assumir o título de ‘Rei do Silicone’, graças as diversas intervenções que passou, o britânico Pete Burns atingiu a #5 nas paradas com esta canção. Em 2006, ele contou que gastou quase todas as suas economias em cirurgias reconstrutivas após um procedimento nos lábios, que não deu certo. Em sua biografia ‘Freak Unique’, ele contou que foi estuprado quando era criança por um homem que não foi processado. Casado com Lynne Corlett por 28 anos, se divorciaram e ele se casou com Michael Simpson, que estrelava a série diurna ‘Richard & Judy’. Romperam 10 meses depois. Ele alegou que o casamento não estava dando certo, pois era melhor ser casado com uma mulher. Mesmo assim, eles continuam juntos. Pete faleceu em outubro de 2016, aos 57 anos, de um ataque cardíaco.
Baltimora – Tarzan Boy (1985)
Baltimora foi um grupo de dance-pop italiano estrelado pelo assumido irlandês Jimmy McShane, que morreu em 1995 por complicações da AIDS. A canção foi um mega sucesso internacional por dois anos. No Brasil, foi o tema da abertura do programa ‘Perdidos na Noite’, apresentado por Fausto Silva na Record e na Bandeirantes. Nos anos 90, ela voltou a ser tocada, graças ao filme ‘As Tartarugas Ninja, em 1993.
Kon Kan – I Beg Your Pardon (1988)
No final dos anos 80, flertando com o novo conceito de Dance Club que surgia, o grupo canadense Kon Kan, estrelado por Barry Harris, causou com esta canção que, foi inspirada na canção ‘Always on My Mind’, do Pet Shop Boys e também utilizava samples das canções ‘Rose Garden’, da cantora country Lynn Anderson, ‘Disco Night (Rock-Freak)’ do GQ, ‘Get Up and Boogie’ do Silver Convention e ‘Call Me’, do Spagna. Ou seja, era um Frankstein musical que funcionou.

CeCe Peniston – Finally (1991)
Canção do primeiro álbum da cantora americana, tornou-se um hit, atingindo a posição #1 da US Dance Chart por duas semanas. Também ficou em #1 no Canadá e #2 no UK Top 75 Singles. Vendeu 500 mil cópias nos EUA e 200 mil no Reino Unido. O clipe ganhou dois prêmios da Billboard Music Awards – Diretor e Novo Artista. Em 2000, esteve na lista dos 100 Greatest Dance Song da década anterior pelo canal VH1. Ganhou mais de 100 versões remixadas no mundo todo. Voltou ao sucesso ao integrar a trilha sonoro de ‘Priscilla, A Rainha do Deserto’, em 1994. Lady Gaga usou trechos da canção em ‘Dance in the Dark’, na abertura da turnê The Monster Ball Tour (2009).

Right Said Fred – I’m Too Sexy (1991)
Banda de Pop/Eurodance inglesa formada pelos irmãos Richard e Fred Fairbrass e pelo guitarrista Rob Manzoli, o nome veio do título de uma canção de Bernard Cribbins, de 1962. Com 20 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, o grupo ganhou diversos prêmios, principalmente por esta canção. Foi um mega sucesso no Reino Unido, onde durante seis semanas concorreu pelo #1 com a melosa ‘Everything I Do’, de Bryan Adams e três meses no Top 10. Também ficou em primeiro lugar em 32 países, como os EUA, onde liderou a Billboard Hot 100. Com a canção, Right Said Fred foi a primeira banda britânica a liberar as paradas americanas, desde The Beatles.  Foi utilizada em 40 filmes e séries de TV, como ‘Os Simpsons’, ‘The West Wing’ e ‘My Wife and Kids’. Em 1991, Richard revelou a um tabloide inglês que era bissexual e que mantinha um relacionamento com Stuart Pantry. Em 2010, depois de 28 anos de relacionamento, Stuart morreu de câncer.
Sophie B. Hawkins – Damn I Wish I Was Your Lover (1992)
Primeira de uma grande safra de cantoras que dominaram o cenário folk da década de 90, Sophie B. Hawkins lançou esta canção que arrebentou no Hot 100 e no Top 10. Durante anos, seu nome apareceu como namorada de Martina Navratilova e Jodie Foster, porém, Sophie sempre negou. Ela é casada com a diretora Gigi Gaston. Em 2008, ela deu a luz a Dashiell Gaston Hawkins.
4 Non Blondes – What’s Up? (1992)
Liderado por Linda Perry (pai americano e mãe brasileira), o 7 Non Blondes lançou um ótimo álbum ‘Bigger, Better, Faster, More!. Dele, saiu o single que se tornaria um sucesso internacional – principalmente na Europa e no Brasil. A canção entraria no 94º lugar na lista ‘100 Greatest One-Hit Wonders’, do canal VH1 e o 86º da revista MuchMore. Por outro lado, a revista Spinner a colocou no 19º do ‘Top 20 Worst Songs Ever. Assumidamente lésbica, Linda escreveu ‘Dike/Sapatão’ em sua guitarra na apresentação da banda no Billboard Music Award 1994. Se isto causou um problema ou não em sua carreira, ela jamais chegou perto do sucesso como cantora. Assim, ela se tornou uma compositora de sucesso, com sucesso nas vozes de Christina Aguilera (‘Beautiful’), Gwen Stefani (‘What’s You Wainting For?), Adam Lambert e Grace Slick. Em maio de 2009, ela assumiu o namoro com Clementine Ford, filha da atriz Cybill Sheppard. Em 2011, ela começou a namorar Sara Gilbert, que, em fevereiro deste ano, deu a luz a Emilio Gilbert Perry. A canção foi o destaque da primeira temporada da série do Netflix, ‘Sense8’.
Luscious Jackson – Naked Eye (1996)
Em 1990, a baterista Kate Schellenbach do Luscious Jackson e sua namorada a baixista Josephine Wiggs, do Breeders e apareceram na capa da revista The Advocate. ‘Naked Eye’ marcou a única vez que ela e as colegas da banda apareceram em algum lugar no Single Charts, no caso, a posição 36 do Billboard Hot 100.
Billie Myers – Kiss The Rain (1997)
Kiss the Rain era uma balada da cantora britânica Billie Myers que lançava o álbum ‘Growing Pains’. Quando ganhou remix do DJ Thunderpuss, ela chegou ao #15 da Billboard Hot 100 por 31 semanas, apareceu na série de TV ‘Dawnson Creek’ e serviu de abertura para dois talk-show diurnos nos EUA. Também apareceu na comédia romântica ‘Procura-se Amy’, em 1997, que fez barulho no circuito dos festivais alternativos da época.

Anastacia – I’m Outta Love (1999)

Lançada em fevereiro de 1999 nos EUA, a canção do álbum de estreia de Anastacia, ‘I’m Outta Love’ ganhou centenas de remix no mundo todo, inclusive oito no Brasil. O sucesso garantiu vitalidade, que ela lançou o mesmo no Reino Unido em setembro de 2000. Atingiu o #1 na Australia, Bélgica, Nova Zelândi e European Hot 100 Singles. Ficou em #2 na Billboard Hot Dance Club Play, dos EUA, Suíça, França, Irlanda e Itália.

Heather Small – Proud (2000)
Tema da série ‘Queer As Folk’, virou um hino da comunidade lgbt do começo do milênio. Ex-vocalista do MPeople, Heather Small eternizada por esse hit. Posição #16 da UK Singles Chart. Além de ‘QAF’, a canção foi tema do reality ‘The Biggest Loser’, do filme ‘Akeelah and the Bee’, campanhas publicitárias e políticas americanas, no concerto em prol às vitimas do tsunami de 2005, nos Jogos Olimpícos de Londres (2008), tornou-se tema de vídeos de treinamento de uma grande redes de supermercados ingleses e até da novela global ‘Amor à Vida (2013). Ou seja, tornou-se parte da cultura pop mundial.

Lasgo – Something (2001)
Sucesso do grupo belga Lasgo, foi o single foi o vinil mais vendido na semana do lançamento na Espanha. Nas paradas internacionais, atingiu o #1 no Brasil, e UK Dance. Ficou #29 na US Billboard Hot Dance e #35 da Billboard Hot 100. Em 2003, a canção ganhou nova versão com vocal de Jelle. Depois da cantora britânica Taylor Jones.