Polêmica | Professora da FGV alerta para a banalização do coaching

Vivemos em uma sociedade que busca fórmulas mágicas, que vão desde o emagrecimento rápido a desenvolver a competência de liderança sem ter perfil para tal. Nesse cenário, a figura do Coach aparece como mágico! E eles são especialistas em diversas áreas! Até na novela ‘O Outro Lado do Paraíso’, uma advogada autointitulada como ‘Coach’,  usa técnicas ‘x’ para extrair ‘verdades ocultas’ dos clientes (uma versão pobre da tenente Olivia Benson da série ‘Law&Orden: Special Victins Unit’)! Mas como distinguir um profissional preparado de um despreparado?
Para a professora dos MBAs da Fundação Getulio Vargas (FGV) e coordenadora acadêmica do curso de Analista e Capacitação em RH em nível Brasil, Anna Cherubina Scofano, alguns coaches sem a devida formação e um quantitativo mínimo de clientes e horas de atendimentos, simplesmente se aproveitam de uma onda de modismo do termo coaching, de forma insipiente e por vezes até irresponsável. Segundo ela, isto representa um risco para os desavisados na contratação deste tipo de serviço.
“Alguns – ditos coaches – se utilizam de conhecimentos terapêuticos, outros do marketing pessoal, de retórica, holístico e, principalmente, das fragilidades e necessidades humanas. No mercado, qualquer pessoa pode se dizer e se diz coach”, alerta Anna Cherubina Scofano.
A professora esclarece, no entanto, que o coaching é um processo voltado, especificamente, ao desenvolvimento de competências. Que não se trata de um processo de aconselhamento, tampouco de autoajuda. Muitas pessoas confundem – chegam a chamá-lo até de consultoria, quando esta é voltada a processos organizacionais ou de negócios. “Ambos são completamente distintos em sua aplicação, objetivos, meios e fins”, explica Anna Cherubina.
A professora da FGV ressalta que um coach despreparado pode prejudicar pessoas ludibriando-as, ou mesmo, prometendo aquilo que não está apto a entregar. De acordo com ela, atendendo como coaches, esses profissionais lesam seus clientes, quando na verdade eles, em grande parte, precisam de outro tipo de apoio, seja de um psicólogo, psiquiatra, mentor, enfim, algo que não esteja contido no processo do coaching.
“O fato de mantê-los como clientes, em detrimento de orientá-los na busca de outro tipo de serviço profissional, pode representar algum tipo de prejuízo considerável ao indivíduo. As principais credenciais de um coach são suas referências de outros clientes e, as experiências com uma quantidade mínima de horas/atendimento realizadas. Quem atua na área deve ter a formação como coach, em uma Escola de coaching, credenciada pela ICF (International Coach Federation)”, explica a especialista