Casa do Vidro celebra os 70 anos de Mário Gravem Borges

O artista plástico Mário Gravem Borges celebra seus 70 anos participando da coletiva “Cara Casa Árvore Rua Estrada Tinta Cavalete nº 2”, que fica em cartaz na Casa de Vidro (Lago do Café), de 5 de outubro a 5 de novembro. O vernissage acontece na próxima quinta, 4, às 19h30, com a participação do Coral do Círculo Militar de Campinas.
A coletiva pilotada por Gravem Borges reúne os artistas Acácio Pereira, Cristina Roese, Daniel Steck, Gabriela Pendezza, Matheus Junco, Rael Mendonça, Tiago Rego e Jeison Redentor com seu traço peculiar e criatividade.
Das quase 30 obras da mostra, 12 são de Borges, produzidas desde a década de 1980 até agora.

“São imagens com forte caráter onírico em técnica mista permanente que inclui pintura em acrílico direto sobre tela, pintura com colagens simples, e colagens feitas com auxílio do computador”, detalha.

mário gravem borges tela @ reprodução

O artista

Natural de Campinas, e “altamente estimulado por pais extraordinários, vivos até hoje”, conforme destaca, Mário Gravem Borges foi aluno de um time expressivo de mestres das artes, como Helio Oiticica, Alexandre Wollner, Aloisio Magalhães, Renina Katz, Décio Pignatari, entre outros. Estudou no Museu de Arte Moderno, no Rio, com Ivan Serpa e na legendária Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI) e onde, com outros alunos, trabalhou na confecção de uma instalação para a primeira Bienal Internacional de Desenho Industrial, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1968.
Em 1981, foi um dos primeiros estrangeiros a expor no Institute of Contemporary Art, em Londres.
Em Campinas participou de vários conselhos e na elaboração dos primeiros prêmios-estímulo. É um dos poucos brasileiros a ter obra leiloada na Christie’s International Auctioneers e Bonham’s, no Reino Unido. Sua obra, hoje parte de coleção pública no Reino Unido, tem Campinas como tema.
Expôs em galerias de Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. Participou de feiras internacionais de arte como a Barbican Art Fair, em Londres; tem obras em coleções particulares, de acesso público, como Terrace Gallery/ Harewood House, dos Condes de Harewood, e em museus e universidades como a London School of Economics, na Inglaterra; no Museu de Arte Contemporânea de Campinas, entre outros.
Figura em artigo de John Russel Taylor (ref: The London Gentleman Magazine) como um dos 40 melhores artistas na Grã Bretanha. Foi júri do Premio Cultural do Estadão Cultura e júri em Campinas do Mapa Cultural.
Anote: Exposição “Cara Casa Árvore Rua Estrada Tinta Cavalete nº 2”, de Mário Gravem Borges (Casa de Vidro – Av. Heitor Penteado, 2.145. Em frente ao portão 1 da Lagoa do Taquaral. Lago do Café)

Sua opinião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.