Quem são os 16 integrantes do EGOT – vencedores do Emmy, Grammy, Oscar e Tony

Na indústria cultural dos EUA, o EGOT é um acrônico de Emmy, Grammy, Oscar e Tony Awards para os vencedores dos quatro troféus competitivos das Academias respectivas. Mas precisam ser vitórias em suas áreas (seja atuação, composição, trilha sonora, produção ou direção).
São os premiados como os melhores da TV (Emmy), Música (Grammy), Cinema (Oscar) e Teatro (Tony). É uma espécie de ‘Grand Slam’ (os quatro eventos anuais mais importantes do tênis) do show business. Até 2021, 16 pessoas integram este selecionado – e desejado – clube.
O acrônico EGOT foi cunhado pelo ator Phillip Michael Thomas em 1984, quando seu papel na ‘Miami Vice’ garantiu um rápido sucesso popular. Ele acreditou que tinha potencial de começar a fazer parte do clube pelos cinco anos de duração da série. Ironia ou não, o ator nunca foi nem indicado a qualquer um dos prêmios.
Porém, o termo ganhou reconhecimento em 2010 na quarta temporada da sitcom ’30 Rock’, quando a comediante Tina Fey escreveu que o personagem de Tracy Jordan (interpretado por Tracy Morgan) era um integrante do EGOT.
Em ordem cronológica, fazem parte do EGOT o Richard Rodgers (compositor), Helen Hayes (atriz), Rita Moreno (atriz), John Gielgud (ator), Audrey Hepburn (atriz), Marvin Hamlisch (compositor), Jonathan Tunick (maestro), Mel Brooks (roteirista, diretor e compositor), Mike Nichols (diretor), Whoopi Goldberg (atriz), Scott Rudin (produtor), Robert Lopez (compositor), John Legend (cantor e ator), Tim Rice (compositor), Andrews Lloyd Webber (compositor) e Alan Menken (compositor).
Por outro lado, a atriz inglesa Lynn Redgrave é a única artista do clube do anti-EGOT. Indicada nas quatro premiações, ela nunca ganhou nada.

Os integrantes do clube

O compositor Richard Rodgers foi o primeiro a colecionar os quatro prêmios. Em 1945, ganhou o Oscar de Melhor Canção por ‘It Might As Well Be Spring’ do filme ‘Corações Enamorados’. Dois anos depois, levou o Tony pela trilha do musical ‘South Pacific’ – primeira de seis vitórias na premiação. O Grammys veio em 1960 pelo álbum do musical ‘No Strings’. A série documental ‘Winston Churchill: The Valliant Years’ garantiu o seu Emmy em 1962.

Richard Rodgers na celebração de seu 70a festa de aniversário no Restaurente Gallagher, Nova York, 26 de março de 1972 @ Reprodução

A primeira mulher a integrar o EGOT foi a atriz Helen Hayes. Num período de 44 anos, ela ganhou o Oscars (Melhor Atriz por ‘O Pecado de Madelon Claudet’), em 1932 e o Grammy em 1976 de Melhor Gravação de Narração (‘Gret American Documents’). Também conhecida como Primeira Dama dos Palcos Americanos, Helen ganhou seu primeiro de dois Tonys de Melhor Atriz em 1947 pela peça ‘Happy Birthday’, empatando com Ingrid Bergman (‘Joan of Lorraine’). O Emmy veio em 1953 por apresentar o programa de TV ‘Schlitz Playhouse of Stars’.

Helen Hayes num evento na Casa Branca em Washington, D.C., em 04 de outubro de 1983 @ Reuters

Primeira e única mulher de origem latina a figurar na lista, a porto-riquenha Rita Moreno ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por ‘West Side Story’ pelo papel de Anita, em 1961. Levou o Grammy como Melhor Gravação para Crianças por ‘The Eletric Company’, em 1972. Venceu o Tony em 1975 pela atuação na peça ‘The Ritz’. O Emmy chegou como Melhor Atriz Convidada do programa de marionetes ‘The Muppet Show’ em 1977.

Oscar 1962 Rita Moreno (West Side Story) @ Getty

O ator britânico John Gielgud foi o artista mais velho a completar o EGOT quando, aos 87 anos, ganhou o Emmy em 1991 de Melhor Ator em Filme feito p/TV ou Minissérie pelo papel em ‘Summer’s Lease’. 30 anos antes, sua direção na peça ‘Big Fish, Little Fish’ rendeu o Tony em 1961. Quando gravou trechos de peças de Shakespeare ‘Ages of Man’ foi premiado com o Grammy, em 1979. Dois anos depois, ganhou o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante como o inesquecível mordomo em ‘Arthur, o Milionário’.

Sir John Gielgud @ Reuters

A eterna ‘Bonequinha da Luxo’, Audrey Hepburn é a única artista póstuma a completar o EGOT. Sua trajetória começou em 1953 quando venceu o Oscar de Melhor Atriz por ‘A Princesa e o Plebeu’. Duas semanas depois da cerimonia, ela ganhou o Tony pela atuação na peça ‘Ondine’. O programa ‘Gardens of the World with Audrey Hepburn’, que a premiou com o Emmy em 1993, estreou no dia que ela faleceu com 63 anos. O Grammy veio no ano seguinte pelo Álbum de Narração para Crianças ‘Audrey Hepburn’s Enchanted Tales’.

Oscar 1954 Audrey Hepburn (A Princesa e o Plebeu) veste Givenchy @ AP

O compositor Marvin Hamlisch ganhou três estatuetas em 1973 pela canção e trilha sonora dos filmes ‘Nosso Amor de Ontem/The Way We Were’ (que também premiou Barbra Streisand como letrista) e ‘Golpe de Mestre’. No ano seguinte, ganhou quatro Grammys, incluindo Melhor Novo Artista. Em 1976 levou o Tony pela trilha do famoso musical ‘A Chorus Line’. Duas décadas depois, ganhou dois Emmys pelo especial para TV ‘Barbra Streisand: The Concert’.

Colaborador do compositor Stephen Sondheim, Jonathan Tunick ganhou o Oscar pela adaptação para as telas do musical ‘A Little Night Music’, em 1977. O Emmy veio em 1982 pela direção do especial ‘Night of 100 Stars’ e o Grammy em 1988 pelos arranjos em ‘No One Is Alone’. Apesar de mais conhecido por seu trabalho no teatro, só foi reconhecido em 1997 com o Tony Awards pela trilha sonora da versão musical de ‘Titanic’.

Jonathan Tunick e Stephen Sondheim na Livraria Barnes and Noble , New York City, 10 de julho de 2012 @ Joseph Marzullo/WENN.com Newscom/(Mega Agency Tag) [Photo via Mega Agency]

Em 1967, o comediante Mel Brooks ganhou o Emmy por co-roteirizar o especial ‘Your Show of Shows’ e o Oscar pelo roteiro original da primeira versão de ‘Os Produtores’. Três décadas depois, dividiu com Carl Reiner o Grammy pelo álbum de Narração de Comédia ‘The 2000 Year Old Man in the Year 2000’. A nova montagem de ‘Os Produtores’ para os palcos levou 12 Tonys em 2001, incluindo Melhor Musical, Texto e Trilha Sonora para o artista.

Mel Brooks na noite de estreia da nova montagem de ‘Os Produtores’ @ Lee RothSTAR MAX, Inc. – copyright 2003ALL RIGHTS RESERVED [Photo via Mega Agency]

O diretor Mike Nichols é o mais premiados da seleta lista do EGOT com 14 prêmios. Sua primeira vitória foi no Grammy 1961 de Melhor Performance em Comédia por ‘An Evening with Mike Nichols e Elaine May’. O primeiro dos oito Tonys foi pela peça ‘Descalços no Parque’, em 1963. Em 1967, ganhou o Oscar de Melhor Direção pelo clássico ‘A Primeira Noite de um Homem’, com Dustin Hoffman e Anne Bancroft. Em 2001 levou para casa dois Emmy pela direção e produção do filme feito p/TV ‘Wit – Uma Lição de Vida (disponível na HBO Max).

Mike Nichols @ Reuters

Whoopi Goldberg é a primeira e única artista negra no clube EGOT. A primeira vitória aconteceu em 1986 pela Melhor Gravação de Comédia de sua apresentação solo na Broadway. O filme ‘Ghost’ garantiu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel de Oda Mae. Em 2002, ganhou o Daytime Emmy como produtora do especial ‘Beyond Tara: The Extraordinary Life of Hattie McDaniel’. Um mês depois, ganhou o Tony como co-produtora do musical ‘Positivamente Millie’. Ganhou outro Daytime Emmy pela Apresentação do programa ‘The View’, em 2009.

Oscar 1991 Whoopi Goldberg @ A.M.P.A.S.

Antes das acusações de agressão e assédio moral contra seus funcionários, o produtor Scott Rudin levou o Emmy em 1984 pelo programa infantil ‘He Makes Me Feel Like Dancin’’. O musical ‘Passion’ garantiu o primeiro dos oito Tonys que recebeu. Em 2007 ganhou o Oscar de Melhor Filme ‘Onde os Fracos Não tem Vez’. O Grammy chegou 2012 pelo álbum do musical ‘O Livro do Mórmon’.

Scott Rudin no Restaurante Sardi’s, New York City, 24 de maio de 2012 @ WENN Newscom/(Mega Agency

Aos 39 anos, o compositor Robert Lopez é o mais jovem componente do clube EGOT. Seu primeiro Tony Awards foi em 2004 pela trilha de ‘Avenue Q’, seguido de mais duas vitórias em 2011 pelo ‘O Livro do Mórmon’. O álbum do musical também rendeu um Grammy em 2012. Ganhou o Daytime Emmys em 2008 e em 2010 pela direção musical de ‘The Wonder Pets’. O hit internacional ‘Let It Go’ do fenômeno da Disney ‘Frozen’ garantiu seu primeiro Oscar de Melhor Canção em 2013.

Robert Lopez no DGA Theater, New York – 07 de dezembro de 2019 @ Reuters

As três primeiras – das 11 vitórias – do cantor, compositor e produtor John Legend no Grammy, vieram em 2006 como Melhor Novo Artista, Melhor Álbum R&B (‘Get Lifted’) e Melhor Performance Masculina (‘Ordinary People’). O Oscar chegou em 2015 pela canção ‘Glory’ do filme ‘Selma’. O Tony em 2017 pela produção do Melhor Revival de Peça ‘Jitney’ e o Emmy pela produção do especial para TV ‘Jesus Christ Superstar’, em 2018.

Oscar 2017 John Legend @ Getty

O musical ‘Evita’ garantiu o Tony e o Grammy para o escritor e letrista britânico Tim Rice, em 1980. O Oscar chegou em 1993 por ‘Aladdin’ e o Emmy pela produção do especial para TV ‘Jesus Christ Superstar’, em 2018.

Sir Tim Rice recebe a estrela na Calçada da Fama de Hollywood em 20 de novembro de 2008 @ (Mandatory): Dimitri Halkidis / WENN Newscom

O compositor e produtor musical Andrew Lloyd Webber ganhou o Tony, o Grammy (ambos em 1980) e o Oscar (1997) por ‘Evita’. Assim como seu parceiro Tim Rice, ele também ganhou o Emmy em 2018 por ‘Jesus Christ Superstar’.

Sir Andrew Lloyd Webber recebe o Tony Honorário @Mandatory

A animação da Disney ‘A Pequena Sereia’ garantiu dois Oscar e o Grammy para o compositor Alan Menken. O Tony veio com ‘Newsies’, em 2012 e o Daytime Emmy pela trilha sonora de ‘Rapunzel’s Tangled Adventure’, em 2020.

Os (quase) integrante do EGOT (vencedores dos quatro prêmios, porém, um deles foi Honorário – não competitivo):

  • Barbra Streisand ganhou o Grammy (1964), Emmy (1965), Oscar (1968) e um Tony Especial em 1970.
  • Liza Minnelli ganhou o Tony (1965), Oscar (1972), Emmy (1973) e um Grammy Legendário em 1990.
  • O ator James Earl Jones levou o Tony (1969), Grammy (1977), Emmy (1991) e um Oscar Honorário em 2011.
  • O ator Harry Belafonte ganhou o Tony (1954), Emmy (1961), Grammy (1961) e o Oscar Humanitário Jean Hersholt em 2014.
  • O produtor musical e compositor Quincy Jones ganhou o primeiro dos 24 Grammy em 1964. Na sequência o Emmy (1977), o Oscar Humanitário Jean Hersholt (1994) e o Tony em 2016.