Um olhar sobre a moda masculina no século XX e XXI

O século XX foi marcado por inovações nas ciências, na tecnologia e na política. E também, na moda masculina.
Em 1901, com a morte da rainha Vitória, seu filho Alberto Eduardo, então Príncipe de Gales,  assumiu o trono inglês, como Rei Eduardo VII. Assim, terminava a Era Vitoriana e começava a Era Eduardiana.

Rei Eduardo VII @ Divulgação
Rei Eduardo VII @ Divulgação
Conhecido pelo estilo arrojado e gosto pelos esportes, Eduardo deu nome ao tecido ‘Príncipe de Gales’, utilizado na confecção das roupas de caça.
Neste século a moda masculina desenvolveu peças para as práticas esportivas, para as forças armadas e elegeu a underwear como peça básica. A dinâmica da moda masculina era lenta. Pouca coisa mudava de uma década para outra.

Rei Eduardo VII em uma caçada, utilizando o tecido 'príncipe de galês' @ Divulgação
Rei Eduardo VII em uma caçada, utilizando o tecido ‘príncipe de galês’ @ Divulgação
O século XX se caracterizou pelo uso da alfaiataria clássica, sapatos bicolores, cartola, bengala e lenço. Nas primeiras décadas do século, paletós e calças bem cortados, ajustados ao corpo era a palavra de ordem no quesito estilo. A vida social borbulhava. O ver e ser visto regulavam as relações e o consumo desse período.  Foi uma época de efervescência cultural e de entretenimento.

Ilustração do catálogo da C. A. Herpich Söhne - Inverno 1910/1911 @ Divulgação
Ilustração do catálogo da C. A. Herpich Söhne – Inverno 1910/1911 @ Divulgação
Com  iminência da Primeira Guerra, tudo que era divertido e prazeroso ganhou um ar sombrio. A sociedade mudou, os homens foram para a guerra e as mulheres para as fábricas. Tal dinâmica exigiu novos hábitos no vestir tanto para os homens, quanto para as mulheres.

Militarismo na moda masculina @ Divulgação
Militarismo na moda masculina @ Divulgação
O contato com as atividades militares influenciou a utilização de peças e introduziu outras no uso diário. O desenvolvimento tecnológico produziu novos materiais, que possibilitou inovações e democratização na produção do vestuário.
No período pós-guerra, o sistema da moda passou a girar em um ritmo mais acelerado. Os Estados Unidos passaram a dianteira da economia mundial, e nesse período surgiu o que veio definitivamente democratizar a moda: o ready-to-wear, que os franceses nomearam de prêt-à-porter – o pronto para usar. A produção em série garantiu o declínio da alfaiataria, devido a disseminação das máquinas de costura e o surgimento de novos materiais.

Ilustração da moda masculina dos anos 50 @ Divulgação
Ilustração da moda masculina dos anos 50 @ Divulgação
Com a chegada da década de 1960, o conceito de ‘se vestir’ sai das mãos dos adultos e passam para os jovens. Diante da profusão de estilos, o sociólogo francês Mafessoli lançou a expressão: tribos urbanas. Cada uma com seus códigos de comportamento e do vestir.
Estilo esportivo de jovens da década de 60 @ Divulgação
Estilo esportivo de jovens da década de 60 @ Divulgação

O período que foi muito influenciado pela Guerra do Vietnã, gerando reações por parte da juventude em prol de um mundo pacífico.

Festival de Woodstock - 1969 @ Divulgação
Festival de Woodstock – 1969 @ Divulgação
O anos 80 lançaram estilos, cores e modelagens. Malhação – conceito do culto ao corpo e o Yuppies – jovens moradores de centros urbanos, que levavam uma vida profissional agitada, valorizada pelos conceitos da sofisticação. Por outro lado, a moda de rua foi dominada pela cena musical: glam rock, new wave, metal rock, pop e dance.

Glam Rock Anos 80 @ Divulgação
Glam Rock Anos 80 @ Divulgação
New Wave dos anos 80 @ Divugação
New Wave dos anos 80 @ Divugação
Glam Rock Anos 80 @ Divulgação
Glam Rock Anos 80 @ Divulgação

moda masculina (20)

Limpando os excessos visuais, a década de 90 apresenta o minimalismo, influenciado pelo japonismo criado por Yohji Yamamoto e Comme des Garçons. Tons escuros e pastel imperaram, aliados a modelagens mais soltas. As cores, mesmo em menor intensidade, continuaram presentes durante toda a década.

Série Barrados no Baile dos anos 90 @ Divulgação
Série Barrados no Baile dos anos 90 @ Divulgação
Na cultura jovem, o grunge foi a grande influência, assim como os skatistas.

Skatistas dos anos 90 @ Divulgação
Skatistas dos anos 90 @ Divulgação

Numa outra esfera, os clubbers vieram para colorir. Vestiam-se com cores, modelagens modernas, tecidos metalizados e calçados futuristas.

Clubbers dos anos 90 @ Divulgação
Clubbers dos anos 90 @ Divulgação
No final do século, um revival de décadas passadas. O culto ao vintage, a popularização de bandas de estilo folk, que resgatou o uso dos xadrezes e os tecidos tecnológicos.
O comportamento social sofreu mudanças. Numa super valorização do corpo masculino, surgiu a estética gay sobre a moda masculina. Disfarçada com a expressão ‘metrossexualidade, o grande ícone foi o jogador de futebol David Beckham.
Abriu-se um caminho para roupas justas, calça skinny e t-shirts com decotes em V, cabelos com cortes bem curtos, cuidados com a pele e muita atenção para underwear (Oi, Calvin Klein?) – responsável pelo aumento de marcas, que investiram para oferecer modelos variados, com qualidade e conforto.

David Beckham - ícone metrossexual @ Divulgação
David Beckham – ícone metrossexual @ Divulgação
Moda masculina da década da primeira década do século XXI @ Divulgação
Calça Skinny do século XXI @ Divulgação
Moda masculina da década da primeira década do século XXI @ Divulgação
T-shirt com gola V do século XXI @ Divulgação
Hoje, temos a influência oriental, principalmente, vinda da Coréia do Sul, terra do cantor Psy, que com sua Gangnam Style, virou uma febre, resgatando ousadias na cor, materiais e modelagens inovadoras. Outras bandas coreanas que também prometem novas experimentações são Big Bang, Super Júnior e G-Dragon, que se tornaram sucesso entre os mais jovens, além de serem presenças constantes nas semanas de moda pelo mundo, com seus figurinos que mesclam peças masculinas e femininas, cores fortes, cabelos em cortes modernos e acessórios carregados.

Big Band, banda sul-coreana, presença constante nas semanas de moda @ Divulgação
Big Band, banda sul-coreana, presença constante nas semanas de moda @ Divulgação
Neste momento, a dinâmica da moda ficou muito acelerada. O mercado de estilos se tornou imenso – sofrendo grandes mudanças em períodos curtos de tempo.  Estilos são criados e mesclados com os já existentes. Mas alguns mitos da moda masculina permanecem, como a utilização dos ternos e costumes para momentos formais, smoking para eventos de gala. Ao mesmo tempo, percebe-se algumas mudanças – principalmente pelas influências de astros da música e cinema, em aparições no Oscar, Grammy e MTV Music Awards.

Tapete Vermelho @ Divulgação
Tapete Vermelho @ Divulgação
Tapete Vermelho @ Divulgação
Tapete Vermelho @ Divulgação
Tapete Vermelho @ Divulgação
Tapete Vermelho @ Divulgação
Nessas ultimas décadas, tribos urbanas perderam a força na demarcação de estilos. Sazonalmente surgem os ícones de estilo, mas dificilmente permanecem por muito tempo. Mais do que nunca, agora é mais do que necessário educarmos o olhar e afinar o gosto, para o que de fato é de bom tom. Está cada vez mais fácil se perder em meio a tantas opções.

Moda masculina da segunda década do século XXI @ Divulgação
Moda masculina da segunda década do século XXI @ Divulgação
Moda masculina da segunda década do século XXI @ Divulgação
Moda masculina século XXI @ Divulgação
Moda masculina da segunda década do século XXI @ Divulgação
Moda masculina século XXI @ Divulgação
(Artigo do estudante de moda Samuel Marinho – especial para o MONDO MODA)

Um comentário

  1. Ótimo texto e colocação das imagens!
    Sugiro fazer, especificamente também, sobre acessórios masculinos. Não é tarefa fácil, pelas poucas variações comparado ao feminino, mas acho que é interessante! Abraços

    Curtir

Os comentários estão fechados.