Morre Karl Lagerfeld

“Perdemos um gênio criativo que ajudou a fazer de Paris a capital mundial da moda e a Fendi uma das casas italianas mais inovadoras”, disse Bernard Arnault, presidente e executivo-chefe da LVMH, em um comunicado.

Diretor criativo da Chanel e da Fendi, o estilista Karl Lagerfeld morreu nesta terça-feira de manhã, aos 85 anos, depois de ter sido hospitalizado de emergência na segunda-feira à tarde. Ainda não foi informado o motivo.
Além das duas grifes, Karl comandava uma marca própria e inúmeros projetos paralelos, que passavam pela fotografia e o design de interiores.
Em janeiro deste ano, o Karl não esteve presente no desfile de alta-costura da Chanel por conta de uma indisposição e foi representado na passarela por Virginie Viard, diretora do estúdio da marca. Causou muito comentários.

Vestido Chanel Couture Julianne Moore Oscar 2015@ Getty

Sua estória

Lagerfeld nasceu em Hamburgo em 10 de setembro de 1933. Filho de Elisabeth (nascida Bahlman) e Otto Lagerfeld. Sua irmã mais velha, Martha Christiane (a.k.a. Christel), nasceu em 1931. Seu nome original era Lagerfeldt (com um “t”). Anos depois, ele mudou para Lagerfeld como, em suas palavras, “soa mais comercial”.
Lagerfeld cresceu como o filho de um rico empresário da Suécia, que introduzia o leite em pó. Sua família não sofreu com as privações da Primeira Guerra Mundial devido a interesses comerciais de seu pai na Alemanha, através da empresa Glücksklee-Milch GmbH. Sua mãe é de Berlim, de acordo com Alicia Drake, ela era uma vendedora de lingerie quando conheceu seu marido e se casou com ele em 1930.
Depois de frequentar uma escola privada, Lagerfeld terminou o ensino secundário no Lycée Montaigne, em Paris, onde se formou em desenho e história.

Studio 54 Divine e Karl Lagerfeld @ Reprodução

Lagerfeld foi contratado como assistente de Pierre Balmain depois de vencer a categoria de casacos em um concurso de design promovido pela Secretaria de lã Internacional em 1955. Em 1958, depois de três anos na Balmain, mudou-se para Jean Patou, onde preparou duas coleções de alta costura por ano. Sua primeira coleção foi mostrada em uma apresentação de duas horas em julho de 1958, mas ele usou o nome de Roland Karl, ao invés de Karl Lagerfeld. Apesar de que em 1962, os repórteres começaram a se referir a ele como Karl Lagerfelt ou Karl Logerfeld.

A primeira coleção, porém, foi mal recebida. Carrie Donovan, jornalista de moda americana da Harper’s Bazaar, escreveu que “a imprensa vaiou a coleção”. A UPI notou: “O novo designer da marca, de 25 anos Roland Karl, mostrou uma coleção que salientou forma e não tinha nenhum vestígio de saco do ano passado.” O repórter chegou a dizer: “Um par de vestidos pretos de cocktail foram cortados tão abertos na frente que até mesmo algumas das repórteres mulheres suspiraram. Outros vestidos de coquetel e noite, apresentam baixas costas decotadas. “O mais interessante, Karl disse que seu projeto de silhueta para a temporada foi chamado pela letra “K” de Karl, que foi traduzido em uma linha reta na frente, curvado na cintura na parte de trás, com um baixo volume à saia.

Models wear creations for Chanel Spring/Summer 2019 ready-to-wear fashion collection in Paris, Tuesday, Oct.2, 2018. (AP Photo/Christophe Ena)

Suas saias para a temporada de Primavera 1960 eram mais curtas em Brisbane, e a coleção também não foi bem recebida. Carrie Donovan escreveu que: “parecia inteligente e extremamente comercializável, pronto para vestir, não alta costura.” Para sua coleção de final de 1960, ele preparou chapéus pequenos especiais e panquecas de cetim, que pendurou na bochecha. Ele os chamou de “tapas na cara.” A coleção de Karl foi bem recebida, mas não considerada inovadora. “Tornei-me entediado lá, também, e eu parei e tentei voltar para a escola, mas isso não funcionou, então eu passei dois anos principalmente em praias. Eu acho que eu estudei a vida”. “Em 1963, ele começou a desenhar para Tiziani, uma casa de alta costura romana fundada naquele ano por Evan Richards de Jacksboro, Texas .

Chanel Bag 2.55 atualizada por Lagerfeld @ Reprodução

Lagerfeld e Richards esboçaram a primeira coleção em 1963 juntos. “Quando eles acabaram com 90 trajes, Tiziani lançou o cuidado e convites para os ventos, emprestando Catherine, a Grande jóias de Harry Winston, e abriu seu salão de beleza com um wingding de três noites”, de acordo com um relatório em 1969. Lagerfeld desenhou para a empresa até 1969. Elizabeth Taylor era uma fã da marca, assim como Gina Lollobrigida, Doris Duke, e Princesa Marcella Borghese. Ele foi substituído em 1969 com Guy Douvier (1928-1993).

Chanel Spring 2019 @ Daily Front Row

Em 1964, Lagerfeld começou como freelance para casa de moda francesa Chloé, criando algumas peças a cada estação. Aos poucos, porém, assinou toda a coleção. Em 1970, ele começou a colaborar para a romana Curiel; sua chefe foi Gigliola Curiel, que morreu em novembro de 1969. A primeira coleção de Lagerfeld foi descrito como tendo uma “drippy drapey elegance”, projetado para uma rainha do cinema dos anos 1930s.” Todos as modelos de Curiel usavam, perucas loiras curtas-cropped idênticas. Ele também mostrou shorts de veludo preto, vestidos de veludo preto até os tornozelos sob uma capa.

Chanel Fall Winter 2018-19 @ Imaxtree

De 1972, ele colaborou com a grife italiana Fendi, projetando peles, roupas e acessórios. Sua coleção Chloé para a Primavera de 1973 (mostrado em outubro de 1972) ganhou as manchetes por oferecer algo ao mesmo tempo “alta moda e alta acampamento.” Ele mostrou jaquetas Spencer soltas e impressas em camisa-de-força de seda. Ele projetou algo que ele chamou uma saia “surpresa”, que estava em um de comprimento no tornozelo, seda plissada, tão solta que ele escondeu o fato de que era realmente calças. “Parece que o uso dessas saias é uma sensação extraordinária”, ele disse a um repórter na época. Ele também projetou um olhar inspirado por Carmen Miranda, que consistia em vestidos mini-bra com saias muito curtas e vestidos longos com tops de sutiã e lenço xales.

Oscar 2017 Sofia Boutella veste Chanel @ Getty

A partir dos anos 1970, Lagerfeld trabalhou como figurinista para produções teatrais, trabalhando com Luca Ronconi e Jürgen Flimm, e projetando para teatros como La Scala , em Milão ( Les Troyens por Hector Berlioz , 1980; dirigido por Ronconi), o Burgtheater , em Viena ( Komödie der Verführung por Arthur Schnitzler , 1980 , dirigido por Horst Zankl), e o Festival de Salzburgo ( Der Schwierige por Hugo von Hofmannsthal , 1990; dirigido por Flimm).
Em 1983, foi nomeado diretor artístico da Chanel. Com a intenção de perpetuar o espírito de Coco Chanel, morta em 1971. No mesmo ano, modelo francesa Inès de la Fressange tornou-e a imagem de Chanel. Ela ficou até 1989.

Pochete da Chanel – Semana Alta Costura – Inverno 2015 @ Getty Images

Em 1984, Karl criou sua própria casa de alta costura, a marca “Karl Lagerfeld ” no número 144 do Champs-Élysées. Em 1991, foi nomeado o novo diretor artístico da Chloé para reinventar a marca que encontrava-se em pleno declínio.
Em 1998, ele abre a Lagerfeld Gallery, dedicada à fotografia.

Chanel Cruise 2014 @ Foto Karl Lagerfeld

Em 2002, Karl Lagerfeld pediu a Renzo Rosso, fundador da Diesel, para colaborar em uma coleção denim especial para a Galeria Lagerfeld. A coleção, Lagerfeld Gallery by Diesel, foi co-projetada por Lagerfeld e, em seguida, desenvolvida pela equipe de criação da Diesel, sob a supervisão de Rosso. Ela consistia de cinco peças que foram apresentadas durante desfiles do designer durante a Paris Fashion Week e, em seguida, vendidas em edições limitadas altamente na Galeria Lagerfeld em Paris e Mônaco e no Denim Galerias Diesel em Nova York e Tóquio. Durante a primeira semana de vendas em Nova York, mais de 90% das calças foram vendidas para fora, os preços variavam de US $ 240 a 1.840 dólares. Em uma declaração após o show em Paris, Rosso disse: “Estou honrado de Conhecer este ícone da moda do nosso tempo. Karl representa a criatividade, tradição e desafio, e o fato de que ele convidar a Diesel para esta colaboração é um grande presente e reconhecimento de nossa reputação como o prêt-à-porter de casual wear .”

Lagerfeld desenhou os figurinos da personagem principal do filme ‘Callas Forever’. Em 2004, criou alguns looks de Madonna para sua turnê Re-Invention , e, em 2005, as peças Kylie Minogue para a Showgirl Tour.
Ainda em 2004, Lagerfeld colaborou com a H&M, resultando em roupas para homens e mulheres. Dois dias depois do lançamento, a empresa anunciou que quase todas as roupas foram vendidas para fora.
Em 2004, desenhou os dois selos de Saint-Valentin emitidos pelo Correio Francês.

Chanel no 5 Brad Pitt @ Reprodução

Ele fotografou as campanhas publicitárias da Chanel e publicou livros de fotos e arquitetura (Villa Malaparte, Villa Noailles etc) e também em colaboração com Tadao Ando.
Em 2008, ele criou um ursinho de pelúcia em sua semelhança produzida pela Steiff em uma edição de 2500 que foi vendido por US $ 1.500. Sua imagem foi imortalizada em broches, camisetas, bonecos e muito mais. Em 2009, Tra Tutti começou a vender Karl Lagermouse e Karl Lagerfelt, que são mini-Lagerfelds nas formas de ratos e fantoches de dedo, respectivamente.
Em 10 de setembro de 2010, o Conselho Couture do Museu no Fashion Institute of Technology apresentou Lagerfeld com um prêmio criado para ele, The Fashion Visionary Award Conselho Couture.
Em 10 de novembro de 2010, Lagerfeld e o fabricante de cristal sueco Orrefors anunciaram uma colaboração para criar uma coleção de arte em cristal. A primeira coleção foi lançada na primavera de 2011, chamado Orrefors por Karl Lagerfeld.

Chanel Cosmique @ Divulgação

O apartamento de Lagerfeld em Paris foi publicado na edição francesa da revista Architectural Digest em maio 2012. Ele mostrou sua coleção de Pins e Broches de Suzanne Belperron.
Em 2012, Lagerfeld chamou a cantora Adele “um pouco gorda demais”, causando fúria instantânea no Reino Unido. Depois, ele se desculpou. Adele rebateu, dizendo que ela é como a maioria das mulheres, está muito orgulhosa do seu peso (mentira, pois anos depois, ela fez um regime, perdendo muitos quilos.

No mesmo anos, ele criticou Pippa Middleton, irmã de Catherine, Duquesa de Cambridge, por sua aparência. O comentário foi feito quando Lagerfeld estava elogiando Catherine, duquesa de Cambridge, disse: “Kate Middleton tem uma silhueta bonita e é a garota certa para aquele menino. Eu gosto desse tipo de mulher! Eu gosto de belezas românticas.” No entanto, a irmã de Kate, Pippa Middleton, pareceu não lhe agradar muito, e acrescentou: “… Ela se esforça. Mas eu não gosto do seu rosto. Ela só devia mostrar-se de costas!”

No Oscar 2017, Meryl Streep usaria um modelo Chanel, porém, mudou de ideia para um Elie Saab. Sem saber o motivo, Karl criticou a atriz, dizendo que ela o trocou, pois receberia para usar o modelo do estilista libanês. Meryl rebateu a crítica, dizendo que ele estava estragando sua festa que celebrava sua 20a indicação ao prêmio. Ele não falou mais nada.