Os truques do mundo da moda

Ouço cada estória envolvendo o mundo da moda em Campinas, que nem dá para acreditar!
As mais comuns envolvem ‘pessoas’ de São Paulo, que chegam para “descobrir” novos talentos. Promovem concurso no qual a interessada precisa “pagar” para fazer inscrição, para fazer um casting (teste de modelo), para desfilar ou ainda pior, fazer book de R$ 3 mil (na realidade, o valor não é alto, se pensar num produto de excelente qualidade, com profissionais do primeiro time – o problema é saber quem são estes!).
Aí, na fé que sua filha fofinha de 1.55m possa ser a próxima Gisele Bündchen, muitos pais topam a parada.
Semanas depois, recebem o book em casa e… Já está ótimo! Ou seja, tudo se resumia a fazer books para garotas que não tem a menor chance de ser modelos, pois estão longe dos padrões estéticos do mercado.
Há alguns anos, surgiu uma ‘equipe’ que arrancou mais de R$ 300 mil dos campineiros com esta papagaiada. Depois de ser lesada, uma mãe ligou numa agência de modelos de Campinas para relatar a estória e perguntar se poderia levar o book da filha.
O booker da agência perguntou as medidas dela. Resposta: 1,65m. O moço explicou que, para o mercado de moda, a modelo precisa ter 1.75m. Estas medidas são para o mercado nacional, pois lá fora, as medidas são altura 1.78m, quadril 90cm e peso 55 a 58 kg (entenda: com seus 1.70m, Kate Moss continua sendo a única exceção!)
Padrões físicos
Ser loira, morena, negra, ruiva ou oriental é uma coisa. Mas se você quer ser modelo internacional, este é o padrão e não adianta insistir.
Quanto a ser bonita… É o seguinte: entre ser bonita e ser modelo, a diferença é do tamanho de um oceano. Precisa ser expressiva, ter postura, atitude e conhecimento. Além disto, não adianta só estar no padrão, tem que procurar uma agência/escola para aprender a desfilar, fotografar e tudo mais. Até existe o tal ‘nasceu para isto’, mas precisa ser lapidado para funcionar.
Insisto: não acredite que ter apenas um rosto bonito garante uma carreira de modelo! Metade das modelos internacionais não são exemplos de perfeição ou tem cara de boneca Barbie. Elas têm, isto sim, os padrões físicos exigidos e… Algo mais!
Sim, pois além de preencher os requisitos físicos, para fazer sucesso, a modelo precisa de uma coisa, que nenhuma agência/escola oferece: sorte!
O mundo da moda não é uma ciência exata, que você aplica fórmulas para um resultado matemático. Sua carreira pode acontecer ou não. Vai depender de muita coisa, mas, principalmente, sorte! Ana Hickmann é um bom exemplo. Alta, loira e linda, sua carreira não aconteceu lá fora. Ela surgiu no momento que seu tipo não era o preferido. O que ela fez: Voltou para o Brasil, estudou e investiu na carreira como apresentadora de TV. Resultado: fez sucesso e virou uma super bem sucedida empresária, tendo sua assinatura em diversos produtos, como óculos, bolsas, calçados, roupas, esmaltes, entre outros. Entendeu?
Publicidade
Modelos bonitas, mas fora do padrão que a moda exige, encontram trabalho no mercado publicitário ou de eventos.
Apesar dos pesares, Campinas tem um mercado publicitário que funciona. O único problema é o contraste. Por um lado, existem agências/profissionais que fazem campanhas nacionais de qualidade, por outro… Fazem muita, mas muita porcaria. Não interessa se a embalagem é feia ou não. O que importa é quanto vai vender.
Enfim… Para a modelo, a beleza exigida é mais comercial, pois a ideia é aproxima-la do público. Não afasta-lo.
Outro mercado de trabalho (apesar de, com raras exceções, paga-se muito pouco) é o de eventos. Tem trabalho o ano todo, pois a cidade tem forte apelo corporativo e isto garante uma procura por modelos para recepção ou apresentação de produtos (são coisas diferentes).
O único problema, no caso, é a agência de modelo ouvir de alguns clientes que procura uma ‘gostosa’ e não de uma ‘modelo’. Pior: na cabeça da grande maioria, ‘gostosa’ e ‘modelo’ são as mesmas coisas… Nem vou falar daqueles que acham que ‘modelo’ é sinônimo de ‘garota de programa’ Bom, mas isto é outra conversa…
Finalizando
Para as moças que estão dentro das medidas padrões (1.78, 55 a 58 kg e 90 cm de quadril), fiquem atentas para não cair em golpes.
Mas não ache que isto só acontece aqui. De jeito nenhum. Já ouvi estórias de modelos que foram convidadas para sair do país. Foram e, quando chegaram, descobriram que era para fazer programa ou, pior, se tornaram escravas brancas. Não achei que isto é exagero. Fique muito esperta! Isto pode acontecer com qualquer uma que não for bem orientada.
Não acredite em milagres. Não caia na lábia de pessoas que fazem promessas mirabolantes de sucesso fácil ou rápido. Isto não existe!
Quando ficar na dúvida sobre a agência ou sobre a pessoa, pesquise no Google. Toda agência profissional têm site, com campo de contato e telefone. Ligue e se informe se eles estão realmente promovendo tal concurso na cidade e qual é o objetivo. Se a agência for na sua cidade, pergunte se você pode conhece-la. Agende uma visita e vá acompanhada. Mesmo assim, preste atenção em todos os detalhes. No menor sinal de coisa estranha, vá embora!
Finalmente, cuidado com panfletos distribuídos em bares, boates ou lojas, prometendo concursos, books, desfiles ou outros. Não digo que todos, mas a grande maioria é golpe.
Quando o povo começar a falar que tem que pagar ou comprar roupa para desfilar, fazer comercial de televisão, novela… Caia fora! É truque! Se é um trabalho, quem tem que ganhar é você!
(Colunista: Jorge Marcelo Oliveira)