O Minimalismo na Decoração

Surgido no século XX, nos Estados Unidos, os conceitos trazidos pelo movimento Minimalista até hoje são explorado em diversas áreas e especialmente no design.
Veio como resposta ao movimento pós-moderno que têm como grande expoente o grupo Memphis com todas suas cores vibrantes e excessos formais. Houve uma grande repercussão cultural, artística e musical e no campo do design tornou-se símbolo, na década de 1980, do lifestyle dos “Yuppies”, uma geração de jovens ambiciosos com boa situação financeira, que valorizam bens de consumo e os utilizam para demonstrar esse status.
É interessante observar essa relação, inicialmente o minimalismo aplicado ao estilo de vida era sinônimo de sofisticação em contraponto à forma como as pessoas entendem o minimalismo hoje: uma vida simples, sem supérfluos.

A linguagem do grupo Memphis aplicada à decoração @ reprodução

No minimalismo busca-se a expressão por meio de poucos elementos, formas geométricas básicas (por vezes assimétricas) e sobreposição de planos, explorando as possibilidades das composições como a repetição e a simetria. Essa redução formal e visual aplicada à arquitetura e decoração pode ser interpretada de formas diferentes, mas geralmente caracterizam-se por poucas cores, tons neutros (brancos, beges, preto e cinzas), poucos ou sem elementos decorativos.
Efeitos de luz artificial e natural são utilizados para valorizar os espaços livres, que são o destaque desse estilo.
Esse é o grande desafio: como compor um ambiente com um mínimo de elementos e ao mesmo tempo este não parecer frio e desconfortável? A escolha das peças e sua disposição são importantíssimas.

Seguirei com alguns exemplos para ilustrar esses conceitos:

DORMITÓRIO

Na imagem (abaixo) observam-se uma diferenciação dos planos pelas texturas (tijolo, tapete, madeira) todos no mesmo tom. O acréscimo de cor “foge à regra”, mas a essência da composição é mantida, é um ambiente com influências minimalistas.

Dormitório Minimalista @ Reprodução

COZINHA

Uma sequência de sobreposição de planos, linhas retas e tons neutros. Os eletrodomésticos mesclam-se ao mobiliário, estão todos embutidos nos móveis, resultando em uma homogeneidade visual. O design arrojado da coifa se sobressai pela estética enquanto as linhas retas são observadas na torneira e nas cadeiras. A alta tecnologia dos equipamentos é uma constante em cozinhas minimalistas.

Cozinha Minimalista @ reprodução

BANHEIRO

Uma abertura zenital inunda o interior desse banheiro com iluminação natural. Piso, parede e teto, planos inteiramente revestidos com madeira e um espelho ao fundo confundem os limites do ambiente. O desenho limpo das peças (bacia, pia e banheira) e os nichos nas paredes integram-se à linguagem despida de ornamentos.

Banheiro Minimalista @ reprodução

LIVING / TV ROOM

Um sofá modular, um móvel baixo, uma TV. E somente isso. A luz natural filtrada pelas películas opacas instaladas nos amplos planos de vidro traz mais leveza ao ambiente. Essa é atmosfera de um ambiente minimalista. Somente o essencial.

TV Room Minimalista @ reprodução

FINALIZANDO

Muitas vezes confunde-se minimalismo ao estilo contemporâneo. Pelas imagens acima apresentadas notam-se as diferenças. No contemporâneo, essa característica “clean” também é observada, mas há mais detalhes, elementos decorativos, a paleta de cores tem uma variedade maior, por vezes utilizam-se cores mais fortes pontuadas. Há uma mescla de mobiliários valendo-se de peças clássicas em contraponto a um design moderno e em linhas retas.

Um comentário

Os comentários estão fechados.