O misterioso ‘brinco de pérola’ da moça da obra de Johannes Vermeer

A Moça Com Brinco de Pérola (Meisje met de parel) usa um brinco de pérola? Apesar de parecer redundante, a obra clássica de Johannes Vermeer, de 1665, esconde um segredo.
É uma das deliciosas revelações do livro A New Way of Seeing: The History of Art in 57 Works (“Uma Nova Maneira de Ver: A História da Arte em 57 Obras”, em tradução livre), da escritora Kelly Grovier.
O adereço é apenas um pigmento da sua imaginação. Com um movimento de pulso e duas pinceladas habilidosas de tinta branca, o artista enganou o córtex visual primário do lobo occipital de nossos cérebros.

A Moça Com o Brinco de Pérola de Johannes Vermeer @ Reprodução

Aperte os olhos com a força que quiser, não há nenhum gancho ligando o ornamento à orelha. Sua própria esfericidade é uma farsa.
O fato é: a joia preciosa de Vermeer é uma ilusão de óptica opulenta, que se reflete em nossa própria presença ilusória no mundo.

Análise completa

É de se ressaltar como o fundo negro (que na época supõe-se ter sido verde escuro) destaca a presença dessa única figura no quadro e como a pintura carrega um senso de harmonia. A técnica do fundo escuro ajuda a trazer tridimensionalidade a tela.

A figura escolhida tem um ar angelical, simultaneamente feliz e triste, e esconde qualquer coisa misteriosa – não é por acaso o quadro é comparado com a obra prima Gioconda, de Leonardo da Vinci.

O adereço que a jovem de Vermeer carrega nas orelhas dá nome à tela. Há que se sublinhar também o brilho no olhar e na boca da jovem, assim como também se deve perceber o equilíbrio da luz no quadro.

Ao contrário dos retratos da realeza, posados e com traje a rigor, a jovem parece ter sido registrada num momento cotidiano, em meio aos seus afazeres, com um lenço na cabeça. Ela olha para o espectador parcialmente de lado, como se algo a convocasse.

Não se sabe se o trabalho foi uma encomenda nem quem é a moça de olhar ambíguo a protagonizar a pintura. Há quem diga que a jovem é a própria filha do pintor, que teria sido imortalizada na pintura quando tinha apenas 13 anos, mas não há uma confirmação sobre a teoria.

Outra dúvida diz respeito ao turbante que a protagonista usa: naquela época já não se usava mais peças como aquela. Especula-se que Vermeer tenha se inspirado na pintura Menino em um turbante, pintada por Michael Sweerts em 1655.

(Fonte: análise feita por Rebeca Fuks, doutora em Estudos de Cultura para o site Cultura Genial)

Um comentário

Os comentários estão fechados.