Evelyn Preer foi a ‘Primeira Dama Negra das Telas’

Evelyn Preer entrou para a história como A Primeira Dama Negra das Telas. Nascida em 26 de julho de 1896 em Vicksburgh, Mississipi, filha de Frank e Blanche Jarvis, perdeu o pai muito cedo, obrigando sua mãe e os três filhos a se mudarem para Chicago, Illinois. Preer chegou a terminar o ensino médio. Ganhou desenvoltura ao acompanhar a mãe em pregações religiosas nas ruas. Graças a isto, começou a se apresentar em espetáculos de Vaudeville.

Evelyn Preer em imagem remasterizada @ Reprodução

Evelyn Preer se tornou uma estrela do chamado “Chitlin Circuit”, que eram espetáculos seguros para artistas negros, que não podiam se apresentar em qualquer palco durante a segregação racial nos EUA (depois da abolição dos escravos em 01 de janeiro de 1863 até a década de 1960). Chitlin é o nome de um prato típico do sul, feito com intestino de porco, muito comum na comunidade negra e pobre do país.

Evelyn Preer em imagem remasterizada @ Reprodução

Em 1915 ela se casou com o ator Lawrence Chenault, mas logo se separou. Em 1919, aos 23 anos de idade, estreou no cinema como a protagonista de ‘The Homesteader (1919)’, primeiro filme do produtor e diretor negro Oscar Micheaux. Devido a política de segregação, os pretos americanos não podiam frequentar os mesmos clubes, teatros e casas de espetáculos frequentadas por brancos nos EUA. Desta forma, surgiram locais, como cinemas com preços populares, em bairros mais baratos.

Evelyn Preer em Whithin Our Gates @ Reprodução

Oscar foi o primeiro cineasta negro dos Estados Unidos, e produzia filmes com atores também pretos para serem exibidos nestas salas. Ele queria que o público excluído pudesse se ver representado nas telas. Criou um gênero chamado de “cinema da raça”.

Evelyn Preer na peça Salome @ Reprodução

Ele tornou Evelyn Preer sua estrela. Ele promovia turnês para exibição dos filmes com sua presença e patrocinava grandes campanhas publicitárias. Com isso, ela recebeu o título de “Primeira Dama das Telas”, entre a comunidade negra.
Entre os nove filmes que fizeram juntos, ‘Nos Limites dos Portões’ (Whithin Our Gates, 1920), que era uma resposta ao horroroso ‘O Nascimento de Uma Nação’ (The Birth of a Nation, 1915), ícone racista dirigido por D.W. Griffith, que fazia apologia a Klu Klux Kan.

Evelyn Preer em “Whithin Our Gates” @ Reprodução

Em 1920 ela se juntou a companhia The Lafayette Players, fundada em 1915 por Anita Bush, pioneira atriz do teatro, conhecida como “A Pequena Mãe do Teatro Negro”. Sua companhia fez tanto sucesso, que conseguiu se apresentar em teatros destinados para os brancos, e conseguiu reavivar o interesse pelo Vaudeville, que vinha perdendo popularidade. Lá, ela conheceu, se apaixonou e se casou com Edward Thompson.

Evelyn Preer @ Reprodução

Evelyn Preer começou a chamar a atenção da imprensa branca. Com isso, estrelou espetáculos com elencos multirraciais. Estrelou ‘Woman’s Fortune’, de Willis Richardson, o primeiro dramaturgo negro a conseguir montar um espetáculo na Broadway. Também viveu Sadie Thompson em uma montagem de ‘Chuva’, de Somerset Maugham.
Paralelamente, ela ainda filmava com Micheaux (eles trabalharam juntos até 1927), e cantava em cabarés e teatros. Chegou a gravar alguns discos, incluindo com Duke Ellington e Red Nichols, em começo de carreira.

Em 1927 ela foi protagonista do curta-metragem musical ‘The Melancholy Dame’ (1927), dirigido por Arvid E. Gillstrom, com quem fez outros filmes. Foi o primeiro filme musical falado estrelado por uma atriz negra, lançado meses antes de ‘Aleluia’, de Nina Mae McKinney, outra pioneira negra nas telas de cinema.
Evelyn também fez mais dois curtas-metragens com o diretor William Watson e em 1930 estrelou o musical ‘Georgia Rose’ (1930), uma produção independente de baixo orçamento.

Evelyn Preer em Georgia Rose (1930)

Evelyn apareceu em cenas não creditadas em diversos filmes da Paramout. No Al Christie Studios, trabalhou em três comédias de curta-metragem: ‘The Framing of the Shrew’, ‘Melancholy Dame’ e ‘Oft in the Silly Night’, todas em 1928. Embora contratada para cinco filmes, ela quebrou o contrato depois de uma briga com produtores e diretores que ela deveria usar ‘maquiagem para escurecer sua pele’.
Em 1931 aceitou papéis não creditados num filme da Fox e outra na Paramount, chamado ‘Almas Cativas’, no papel de uma presidiária num drama sobre sistema prisional.
Também teve outra participação não creditada como a prostituta Viola no filme protagonizado por Marlene Dietrich, ‘A Vênus Loira (Blonde Venus, 1932)’.

Evelyn Preer em imagem remasterizada no filme ‘A Vênus Loira’ @ Reprodução

Em abriu de 1932, ela deu à luz a sua única filha, Edeve. Ficou internada por complicações no parto. Em 17 de novembro do mesmo ano, ela faleceu de pneumonia. Estava com 36 anos de idade.
Sua filha, Edeve Thompson tornou-se freira na adolescência. Depois, tornou-se e professora universitária. Mais tarde tornou-se uma grande pesquisadora da história do cinema negro nos Estados Unidos.

Fonte: Memórias Cinema Cinematográficas

Sua opinião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.