Invocação do Mal é o melhor filme de terror de 2013

THE CONJURING

A estória de Invocação do Mal (The Conjuring, no original) começa com a família Perron (pai, mãe e cinco filhas), que se muda para uma fazenda no interior de Rhode Island, em 1971.

Aos poucos, a tranquilidade do local desaparece, quando surgem barulhos estranhos, cheiro de carne pobre, porão trancado com diversos objetos antigos, criança sonâmbula, sombras, objetos que se movem… Enfim… Tudo aquilo que estamos carecas de assistir em diversos filmes de terror. Apesar disto, estamos diante de um ótimo filme. Talvez o melhor produzido em anos em Hollywood.

Primeiro ponto: não é aquela palhaçada vista em ‘Atividade Paranormal 1, 2, 3, 4, 5… 20! Aqui, existe um roteiro.

Hoje, no cinema, assim como na moda, teatro, televisão, artes plásticas, decoração, literatura, ou qualquer gênero criado pelo homem, não existem novidades. Tudo já foi contado. Entenda: numa era com tantas descobertas, dificilmente surgirá um novo Einstein, Hitchcock ou Yves Saint Laurent. Mesmo assim, esperamos que surjam outros que sejam criativos para mostrar aquilo que estamos mais do que acostumados de uma forma ‘diferente’. É a era da reciclagem.

Invocação do Mal segue esta cartilha. Tudo o que é apresentado não tem a menor originalidade, mas a forma como o diretor James Wan apresenta é o que garante ao filme o título de ‘Melhor Filme de Terror’ de 2013. Não estou exagerando. Vá por mim!

Invocação do Mal (2013) (2)

Voltando a estória… Quando a situação na casa parece sair do controle, a mãe contata o casal de investigadores paranormais Ed (Patrick Wilson) e Lorraine Warren (Vera Farmiga, ótima). Na vida real, eles se tornaram famosos por (alegar) solucionar mais de 10 mil casos (segundo os próprios, a maioria era fraude). Entre estes, o caso de Amytiville – que se tornou uma assustadora franquia cinematográfica. No caso de Invocação do Mal, a estória é baseada no relato considerado ‘o caso mais assustador que investigaram’.

Autodenominados de médium (ela) e demologista (ele), assim que entram na casa, percebem que alguma realmente está errada. A coisa piora assim que descobrem que casa foi o cenário macabro de diversas tragédias, iniciadas por uma bruxa que cometeu suicídio, depois que matou seu bebê numa oferenda ao demônio (Oi? Pois é. Meio forçado, eu admito, mas tenha paciência: o roteiro dará uma certa lógica a esta informação).

Todos os clichês estão presentes, incluindo a participação especial da assustadora boneca Annabelle (que deve virar estrela da continuação que já foi anunciada). Mas, o filme é tão bem conduzido, com tomadas dignas de aplauso e um clima de clima de suspense que permeia boa parte da estória, cedendo a tentação em mostrar ‘algo’ lá pelo final. Ok, a solução é meio ‘Poltergeist’(que não vou entrar em detalhes para não estragar a surpresa), mas funciona.

Enfim… Com uma direção afiadíssima de James Wan (além de uma direção de arte excelente, assim como a fotografia e os figurinos), Invocação do Mal custou a bagatela de U$ 20 milhões e cravou U$ 137 milhões só no mercado americano (no exterior, a bilheteria ultrapassa U$ 172,600 milhões). Ou seja, é o terror mais bem sucedido da temporada.

Já comentei que ‘Invocação do Mal’ é o melhor filme de terror de 2013?

(Artigo: Jorge Marcelo Oliveira)