Revisitando os anos 90 | Moda e Beleza

Os anos 90 ficaram marcados pelo colapso da União Soviética, o fim da Guerra Fria, a consolidação da democracia, globalização, capitalismo global, do começo da Guerra do Golfo, popularização do computador pessoal e da Internet. Na moda e beleza, a década começa com forte influência da anterior. Coube a série ‘Barrados No Baile’, ou Beverly Hill, 90210, apresentar as primeiras tendências, rapidamente assimiladas pelos jovens carentes de informação (a televisão era o principal canal de comunicação daquele público, seguido pelas revistas de cultura jovem, como Capricho, BIZ e SET).
MONDO MODA relembra 25 momentos marcantes da Moda e Beleza dos Anos 90.90s-fashion-ideas
1. Supermodels – O início dos 90 celebra a Era das Supermodels. ‘Ladies with a new atitude’, Cindy Crawford, Naomi Campbell, Christy Turlington, Linda Evangelista e Claudia Schiffer dominavam o mundo da moda. Modelos que não saiam da cama por ‘menos de 10 mil dólares por desfiles’. Supermodels Anos 90
2. Madonna usa o corpete Cone assinado por Jean Paul Gaultier na turnê Blond Ambition em 1990. Tornou-se uma das imagens da década.

Madonna usa Jean Paul Gaultier @ Getty
Madonna usa o corpete Jean Paul Gaultier @ Getty

3.‘Barrados no Baile/Beverly Hill, 90210’ era a nova febre entre os adolescentes americanos. Tudo o que os personagens vestiam torna-se um sucesso. Kelly Taylor era a it-girl. Marca registrada: o cabelo loiro, os vestidos básicos curtos ou rodados, os shorts, biquínis e acessórios. Donna Martin era a fashionista. Marca registrada: todas as tendências da época, como vestidos curtos com alcinha, as t-shirts navy e as cores mais fortes. Brenda Walsh era a polêmica. Marca registrada: a franja (uma das marcas da década), o batom vermelho e os casacos de alfaiataria, camisas overzided, vestido baby-doll. Os rapazes seguiam as regras das camisetas básicas com manga dobrada, calças baggys de cintura alta, camisas de manga longa com estampas, etc.

Barrados no Baile - Primeira Temporada @ Reprodução
Barrados no Baile – Primeira Temporada @ Reprodução
  1. Surgido no final dos 80, o grunge encontrou o sucesso nos 90, com seu rock alternativo, com canções com temas políticos e sociais, com farta dose de angústia e sarcasmo. Seus representantes (aparentemente) não se preocupavam com a estética, usando roupas de brechós (principalmente as camisas de flanela) e se apresentando com cabelos desleixados em performances teatrais. O casal Courtney Love e Kurt Cobain representava a realeza do movimento Grunge. Courtney eternizou o vestido baby-doll, batom vermelho, olhão dramático e sapatos pesados. Ele abusava da silhueta oversizes, jeans rasgados, das camisas xadrez de flanelas e do cabelo ‘sujinho’.
Courtney Love, a filha e Kurt Cobain @ Divulgação
Courtney Love, a filha e Kurt Cobain @ Divulgação
  1. A primeira ‘it-girl’ dos 90 foi Winona Ryder. Nos primeiros anos da década, ela se destacou em filmes que se tornaram ‘cults’, como ‘Edward Mãos de Tesoura’ e ‘Caindo na Real’. O auge foi sua indicação ao Oscar de Coadjuvante por ‘A Era da Inocência’, seguida por outra como Melhor Atriz por ‘Adoráveis Mulheres’. Seu estilo era tomboy, cabelo Pixie Cut (ou corte Joãozinho), jaquetas de couro, Dr Marters, Levi’s 501s, Converse, Chockers e vestidos baby-doll. Nos tapetes vermelhos, era fã do estilo dos anos 30 e 40, de preferência na cor preta – que dominou a década.
Winona Ryder nos anos 90 @ Getty
Winona Ryder nos anos 90 @ Getty
  1. Loira, sexy e peituda, Pamela Anderson virou musa da década, graças a seu papel em S.O.S. Malubi/Baywatch, em 1992. Três anos depois, um vídeo de sexo com seu marido Tommy Lee ‘acidentalmente’ caiu na internet. Depois do divórcio, outro vídeo com o músico Bret Michaels também apareceu. Flames do mesmo ilustraram a revista Penthouse, em março de 1998. Foi uma das primeiras celebridades ‘distraídas’ da década, inaugurando um ‘conceito’ de fama.
Pamela Anderson usa o maio salva-vidas em SOS Malibu/Baywatch @ Getty
Pamela Anderson usa o maio salva-vidas em SOS Malibu/Baywatch @ Getty
  1. Nos anos 90, Will Smith não tentava ser levado a sério como ator. Flertando com o hip-hop, ele fazia sucesso com a série Um Maluco no Pedaço | The Fresh Prince of Bel Air, onde usava coloridas camisas, Zubaz pants (calça baggy estampada e com elástico na cintura) e tênis coloridos Jordans. Era quase um personagem de cartoon. Já era chato… Mas, pelo menos, não era pretencioso.
Will Smith na primeira temporada de The Fresh Prince @ Chris Haston/NBCU Photo Bank
Will Smith na primeira temporada de The Fresh Prince @ Chris Haston/NBCU Photo Bank
  1. Movimento grunge explodindo em Seattle, Marc Jacobs chuta o pau da barraca com sua antológica coleção Spring Summer 1993 para a Perry Ellis (participações de Christy Turlington, Naomi Campbell e Helena Christensen). Todas as interpretações possíveis do xadrez usadas com coturnos Doc Martens provocou sua demissão no mesmo tempo que definiria um estilo que marcaria uma geração.

9. Em 1993, a Calvin Klein lança uma campanha estrelada por Kate Moss. Com sua pele pálida, olhos contornados por círculos pretos, batom vermelho escuros, ossos em evidência e um visual tomboy, Kate se tornou a imagem da expressão ‘Heroin Chic. Era uma reação contra o ar de saudável e energia vibrante das Supermodels. No cinema, ‘Pulp Fiction’ e ‘Transpotting’ foram seus melhores representantes, enquanto uma estética. A coisa começou a degringolar quando o fotógrafo Davide Sorrenti, apaixonou-se pela modelo adolescente Jaime King, viciada em heroína. Ele entrou na vibe até morrer de overdose em 1997. O fato foi usado pelas campanhas contra as drogas, culminando com as declarações do Presidente Bill Clinton, condenando o conceito.

Kate Moss na campanha ck da Calvin Klein @ Divulgação
Kate Moss na campanha ck One Calvin Klein @ Divulgação
  1. No 20º episódio da primeira temporada de ‘Friends’, a personagem Rachel Green (Jennifer Aniston) aparece com um novo de cabelo. Virou um fenômeno mundial, que ganhou o nome de ‘O cabelo da Rachel’. Assinado pelo hair stylist Chris McMillan, era um corte médio, com fios na altura dos ombros com uma base reta. O movimento ficava por conta das camadas, bem marcadas, que davam um volume ao topo. O tom era marrom acobreado com mechas suaves, que realçavam o contorno do rosto.
O corte Rachel de Jennifer Aniston em Friends @ Divulgação
O corte Rachel de Jennifer Aniston em Friends @ Divulgação
  1. Em meados da década de noventa, nascia na Inglaterra os clubbers. Sem qualquer intenção social ou política, como os punks dos anos 70, eles eram focados no hedonismo, no culto à estética e na diversão em festas regadas a música eletrônica e drogas sintéticas. O movimento possibilitou a música eletrônica a ganhar adeptos, tornando-se uma cena importante que culminou com o surgimento das raves. Com o surgimento de algumas das principais bandas eletrônicas mundiais (The Prodigy, The Chemical Brothers, Fatboy Slim, Basement Jaxx), o movimento se popularizou para outras metrópoles internacionais. Visualmente, eles se vestiam com blusas em cores Neon, estampas da cultura pop japonesa, saias, calças e leggings coloridas, tênis sneaker e esportivos Adidas, Nike e Converse. Completados com pulseiras e colares coloridos, tic-tacs, piranhas, anéis grandes, maquiagens que brilham no escuro, estrelinhas, glitter, sombras Neon, piercings, tatuagens tribais, cabelos Moicano verde-limão e a rosa-choque. Dica: veja o filme ‘Party Monster’, de 2003.
Clubbers - tribo que frequentava o Mercado Mundo Mix nos anos 90 @ Reprodução
Clubbers – tribo que frequentava o Mercado Mundo Mix nos anos 90 @ Reprodução
  1. A Vanity Fair lança a primeira Special Hollywood Issue, em 1995, o ‘futuro’ do cinema. Clicadas por Annie Leibovitz, estavam Jennifer Jason Leigh, Uma Thurman, Nicole Kidman, Patricia Arquette, Linda Fiorentino, Gwyneth Paltrow, Sarah Jessica Parker, Julianne Moore, Angela Basset e Sandra Bullock. Julianne virou uma grande atriz, vencedora do Oscar, assim como Nicole, Gwyneth, Patricia e Sandra. Sarah virou estrela internacional graças a ‘Sex And The City’, Uma ainda procura um grande papel no cinema, Jennifer ressurgiu em 2016 pelas mãos de Tarantino, Angela encontrou seu espaço na série ‘American Horror Story’ e Linda sumiu.
Vanity Fair Hollywood Issue 1995 @ Annie Leibovitz
Vanity Fair Hollywood Issue 1995 @ Annie Leibovitz
  1. Antes de Angelina… Brad Pitt namorou Gwyneth Paltrow. Eles faziam um casal ‘fofinho’, que coordenava os looks que apareciam nos tapetes vermelhos… No Oscar 96, Gwyneth Paltrow ‘jogou o sutiã na cara do povo’. Diante da ostentação e exagero dos modelos bufantes, brilhantes, com brilho, brocado, capas, luvas e cores berrantes, ela usou um modelo baby-doll Calvin Klein branco, leve e solto, usado com cabelo muito liso. Apesar da aparente simplicidade, o modelo revelou-se sofisticado e moderno. Ao seu lado, suas colegas pareciam velhas e antiquadas. Nascia um conceito minimalista, que se tornaria sinônimo de elegância para vestidos de festa.
Brad Pitt e Gwyneth Paltrow no Oscar 1996 @ Getty
Brad Pitt e Gwyneth Paltrow no Oscar 1996 @ Getty
  1. Em 2004, é lançado o filme australiano ‘Priscilla, a Rainha do Deserto’, ‘apresentando’ ao mundo o que seria uma ‘drag-queen’. No mesmo ano, RuPaul estrelou uma campanha para a MAC, tornando-se a primeira drag queen numa campanha publicitárias de uma gigante do ramo da beleza.
Rupaul na MAC 1994 @ Divulgação
Rupaul na MAC 1994 @ Divulgação
  1. As meninas britânicas do grupo Spice Girl começaram seu plano de ocupação mundial em 1995, celebrando o Poder Feminino e a Individualidade, em personagens distintas: Scary, Baby, Ginger, Sporty e Posh. Com estilos diferentes, elas contribuíram para uma nova imagem da mulher jovem no mundo da música pop. Graças a elas, o mundo ganhou sapatos plataformas (revistados do acervo de Carmen Miranda lançado nos anos 30), Pigtail Buns e o corpo lotado de glitter.
Spice Girls @ Divulgação
Spice Girls @ Divulgação
  1. Vocalista do No Doubt, Gwen Stefani virou estrela com um visual que misturava elementos do Ska, Hip Hop, Punk e Esportivo. Com corpo atlético e barriga negativada, abusava dos tops e calças cargo, usadas com um bindi – no conceito espiritual que começava a influenciar estrelas da música, como Madonna.
Gwen Stefani Anos 90 @ Divulgação
Gwen Stefani Anos 90 @ Divulgação
  1. Em 1994, o texano Tom Ford se tornou o diretor criativo da marca italiana Gucci, que fazia décadas se tornava símbolo da cafonice. Sua estreia foi na coleção Fall 1995 inspirada nos jet-setters que badalavam nas festas em Ibiza, Nice e Saint Tropez. A campanha teve assinatura de Carine Roitfeld, que, entre 2001 a 2011, seria editora chefe da Vogue francesa. A coleção é reconhecida como a salvadora da grife italiana. Um ano depois de seu lançamento, ela teve um aumento de 90% em suas vendas.
Gucci by Tom Ford 1995 @ Divulgação
Gucci by Tom Ford 1995 @ Divulgação
  1. A temporada Fall 95 foi babadeira. Alexander McQueen apresentou o desfile ‘Hightland Rape’. Longo (30 minutos), ele apresentou variações do azul, pretos e verdes, cabelos ruivos desgrenhados, lentes de contato coloridas e modelos com atitude vestiam transparências, ombros marcados, xadrez, renda resgada, tecido emborrachado ou vinilico e silhueta próxima ao corpo. Quanto mais atitude, mais a plateia se empolgava. Tirando as dez ou doze com peito de fora e uma pelada usando um vestido de tule ilusion com tiras azuis ou usando calça emborrachada, o resto parecia ‘quase normal’. Críticos detestaram, acusando o estilista de transformar um assunto sério em piada, McQueen respondeu que, o estupro era uma realidade cultural da Grã-Bretanha nos séculos 18 e 19. A partir dali, ele ganhou o apelido de L’enfant terrible da moda internacional. Meses depois, ele substituiu John Galliano na Givenchy.

19. As Patricinhas de Beverly Hills/Clueless transformou os figurinos da personagem Cher Horowitz (Alicia Silverstone, considerada a ‘nova’ Drew Barrymore’) no look preferido da ‘Patricinhas’. Eternizou as criações de Azzeline Alaïa, como os tailleurs curtos, camisa masculina com blazer e sandálias usadas com meias de cano longo.

As Patricinhas de Beverly Hills de 1995 @ Divulgação
As Patricinhas de Beverly Hills de 1995 @ Divulgação
  1. VH1 Vogue Fashion Awards foi uma premiação produzida pelo canal VH1 em parceria com a edição americana da Vogue. Ele aconteceu entre 1995 e 2002, como uma forma de honrar o trabalho de estilistas, modelos, celebridades e videoclipes que contribuíam para manter o assunto ‘moda’ em evidência. Alguns momentos se transformaram em clássicos, como as aparições de Madonna, Hillary Clinton usando um vestido vitoriano, o encontro entre a comediante Maya Rudolph – personificando Donatella Versace com a própria e números incríveis musicais, como de Fiona Apple, Macy Gray, etc. Em 2000, Gisele ganhou o prêmio como melhor modelo do ano. Foi o certificado que Anna Wintour sabia das coisas.

21. Enquanto ‘Patricinhas…’ representava o visual das ‘preppies’, Jovens Bruxas/The Craft apostava nas ‘estranhas’. Com elementos góticos, Nancy Downs (Fairuza Balk) usava batom escuro, vestido soltos com jaqueta de couro, camisetas de manga larga justinha, barriga de fora, crucifixos, chokers de couro com spikes e meia preta acima do joelho com sapatos pesados.

Jovens Bruxas 1996 @ Divulgação
Jovens Bruxas 1996 @ Divulgação
  1. O último desfile de Alta Costura de Gianni Versace em 1997 marcou o mundo da moda, ainda chocado com assassinato do estilista italiano em frente a sua casa em Miami.

23. Fiona Apple causou no videoclipe ‘Criminal’, em 1997. Auge da MTV, a emissora americana era a principal vitrine de lançamento de videoclipes. Aos 19 anos, Fiona virou estrela do ano apostando no conceito do ‘porn-chic’, um dos termos da época para definir trabalhos ousados que mostravam ‘quase tudo’. Seu sucesso não durou além do segundo álbum lançado em 1999.

24. Carrie Bradshaw em ‘Sex And The City’, em 1998. Impossível descrever a importância da personagem de Sarah Jessica Parker, que influenciou fortamente a moda nos próximos 15 anos. Além do talento da atriz, a construção do lado fashionista veio do afiado olhar da figurinista Patricia Field, dona de uma badalada boutique/brechó no Greenwich Village, inaugurada em 1966, em Nova York. O ‘mix and match’, o ‘descontruído’, o crash de estampas, a volta das pérolas, Manolo Blahnik, o ‘descombinado’, etc. Com o sucesso de Carrie Bradshaw, nasce uma profissão: Consultora de Moda e Estilo.

Sex And The City Primeira Temporada 1998 @ HBO
Sex And The City Primeira Temporada 1998 @ HBO
  1. O final dos 90 lançou a ‘Princesa do Pop’, Britney Spears, que reativaria o ‘bubblegum pop’, ou a pop chiclete, que surgiu nos anos 60. Voltada ao público pré adolescente, é um gênero com temas artificiais, melodias cativantes, acordes e harmonias simples, dançantes e com um refrão fácil e pegajoso. No caso de Britney, ela pavimentou o surgimento do jeans de cintura muito baixa, mostrando a calcinha, piercing no umbigo, minissaia e camisetas tops. Tudo usado com camiseta manga curta. No rastro dela, surgiram Christina Aguilera, Mandy Moore e Jessica Simpson.
Britney Spears Anos 90 @ Divulgação
Britney Spears Anos 90 @ Divulgação

Artigo assinado por Jorge Marcelo Oliveira