Arquiteto Fernando Consoni aponta as tendências do Salão do Móvel de Milão 2017

Fernando Consoni @ Facebook
Fernando Consoni @ Facebook

(Artigo assinado pelo arquiteto Fernando Consoni – especial de Milão – Itália – para o MONDO MODA)

Todos os anos, acontece na cidade de Milão (Itália), o Salone Del Mobile. Milano, a Feira Internacional do Mobiliário. Considerado o evento mundial mais importante para o lançamento de tendências, o Isalone 2017 reuniu as melhores empresas e indústrias de mobiliário e também os melhores designers e criadores, entre 04 a 09 de abril.

Salão Internacional do Móvel de Milão 2017 @ Fernardo Consoni

Neste ano, estive presente para conferir o que em breve será realidade também por aqui.
Algumas pessoas acham que o Design (e suas variantes, como o Design de Interiores) é somente sobre aparência, sobre estética. Passamos 87% da nossa vida dentro de edifícios e o design deles tem forte impacto em como nos sentimos ou como nos comportamos.
Tanto a arquitetura quanto o design e a moda refletem o comportamento humano num determinado período ou época e por isso não se resume somente ao aspecto visual. É um processo mental. É o desenvolvimento de um desafio – de tornar melhor, mais agradável, dinâmico, prático, confortável e afetivo na vida das pessoas e, acima de tudo, é uma ferramenta para acentuar nossa humanidade e nos mostrar como interagimos em sociedade.
Os grandes bureaux de tendência fazem longos estudos sobre o comportamento das pessoas para traçar o que será necessário – qual será o desafio a ser enfrentado nos próximos anos e com isso antever de acordo com o movimento esperado, como essas pessoas irão se vestir, consumir e morar.
Diante do desenvolvimento tecnológico que muito rapidamente se desenvolveu nos últimos 30 anos e com a velocidade da comunicação e informação que a cada dia chega mais rápido aos nossos olhos, o ser humano tem cada vez mais se sentido invadido em sua privacidade. A casa e o trabalho se fundiram em uma tela única capaz de agregar compromissos e entretenimentos com o simples toque dos dedos.
Este exagero perverso de conexão derivou em um movimento de introspecção no qual as pessoas passaram a se recolher e a voltar a valorizar a casa, a residência como um lar. O lar voltou a ser um refúgio intocável para o bem estar. A casa se tornou o templo do eu.
Apostas
Ambientes mais intimistas, cores neutras aliadas a tons frios (azul petróleo e verde musgo) têm efeito calmante. As cores quentes se dividem entre os tons Pastel ou os vibrantes, sobrepostas a tons secos, no qual o contraste não choca. A preocupação com o conforto se nota pelo domínio do veludo no qual o toque traz aquela gostosa memória afetiva da casa dos avós.

Salão Internacional do Móvel de Milão 2017 @ Fernardo Consoni

Os elementos naturais voltam a ser valorizados. Muita madeira – seja em revestimentos das paredes ou explorada na forma do mobiliário ou em curvas ou encaixes. Muito mármore em bancadas, cubas, tampos ou até no fundo das estantes.
Os sofás mantêm as linhas retas e puristas, porém, com muitas almofadas que tomam conta do espaço e convidam para o relaxamento. Nada muito certinho ou ordenado. Uma milimétrica bagunça proposital dá a impressão de que os ambientes não precisam ser estáticos. Geometria desconexa e total descompromisso formal.

Salão Internacional do Móvel de Milão 2017 @ Fernardo Consoni

A volta ao passado e a onda retrô continuam com o uso de boiseries e inúmeras referências Art Déco com o uso do formalismo tão característico deste estilo. O cobre continua e o dourado também. Mobiliário metálico e revestimentos metalizados.
As tapeçarias deixam o chão e voltam a habitar as paredes. Mais um elemento que traz aconchego e conforto visual aos ambientes.
O color block continua. Dessa vez em peças de acrílico – material que dominou o mobiliário acessório como mesas laterais, de centro e estantes.
Não só de introspecção virá o futuro. Terá laranja, assim como o vermelho! Decomposição da cor num mesmo ambiente em tom sobre tom. Parede + mobiliário + tapetes. Quase Barragán, muito intrigante e plenamente factível.

Salão Internacional do Móvel de Milão 2017 @ Fernardo Consoni

Uma crescente vem sendo a fusão dos elementos. Tapete que sobe na base da mesa, móveis “origâmicos”, o mesmo tecido aplicado nos móveis e paredes confundindo ao olhar.
Outra vertente dominante, o “Psycho Tropical” teve na Missoni seu maior exemplo. Estampas florais e tropicais em cores, dimensões e combinações exageradas fazem às vezes lembrar Emilio Pucci, noutras, Cavalli.
Destaques pontuais:
• Paola Lenti – Cores secas, Pastel e vibrantes convivendo em harmonia. Uma experiência sensorial de cores e texturas.
• Moooi – Domínio da irreverência elegante em dimensões exageradas e composições inesperadas.
• Tom Dixon – A arte de transformar a luz em prismas e efeitos orgânicos.
• Poltrona Frau – Elegância “low profile” em tons Pastel e neutros.
• Diesel – Predominância de ambientes e composições “masculinas” com uso de muito cinza, petróleo e verde.
• Missoni – A estampa Chevron tão característica da marca, vem aliada à estampas florais e animal prints.
• Nendo – Minimalismo absoluto em formas puríssimas.
• Louis Vuitton – A convite da grife, renomados designers, dentre eles os brasileiros Irmãos Campana, criaram peças onde o couro é protagonista num acabamento absolutamente impecável.

Um comentário

Os comentários estão fechados.