Obras de Doris Homann no Ligia Testa Espaço de Arte

Doris Homann foi uma artista que sobreviveu aos horrores das duas guerras mundiais e que pintou as dores, lutas e transformações de seu tempo. Uma mulher revolucionária, que conviveu com os maiores nomes da cultura europeia
em sua época e deixou um legado ainda pouco conhecido no Brasil, o país que escolheu para viver com as duas filhas.
Nascida na Alemanha, Doris Homann (1898 – 1974), a pintora é celebrada numa exposição que acontecerá de 13 de agosto à 13 de setembro, no Ligia Testa Espaço de Arte, no Taquaral, Campinas.
Doris Homann: A Pintura da Condição Humana vai retratar as múltiplas facetas da vida e obra da pintora, ceramista, escultra e gravurista.

“O objetivo é apresentar, de forma inédita para os apreciadores da arte e público em geral de Campinas e região, uma biografia de enorme riqueza e uma obra que reflete as angústias e também as esperanças de períodos tumultuados da história da humanidade”, contou a marchant Ligia Testa.

A produtora relata que o evento é fruto do desejo das duas filhas de Doris, Claudia e Livia, que há anos escolheram Campinas como moradia. As filhas nutriam a expectativa de promover uma exposição como tributo à vida e obra da mãe e agora o sonho será realizado. Livia, a primogênita, faleceu há poucos dias, mas participou ativamente de todo o
processo de idealização, formulação e produção da exposição.

Doris Homann @ divulgação

Sobre a artista

Doris Homann, vida e obra – Doris Homann nasceu em Berlim, no dia 16 de maio de 1898. Nascida em família de classe média alta, a artista vivenciou infância e adolescência nos últimos momentos do Império Alemão, sob o domínio de Wilhelm II, até sua abdicação em 1918, ao final da Primeira Guerra Mundial.
Talento precoce, Doris estudou no Konigstaatlisches Lizeum (Liceu Real) e na Academia de Belas Artes, tendo integrado o círculo de artistas reunidos em torno do escultor e pintor Otto Freundlich. Ele foi um dos nomes com obras incluídas na famigerada exposição da Arte Degenerada, assim designada por Adolf Hitler. Freundlich morreu no campo de Majdanek, na Polônia, em 1943.
Os ideais libertários permaneceram em Doris Homann, que como outros artistas viveu um período de efervescência na República de Weimar (1918-1933). Nesta época, protagonizou várias exposições, individuais e coletivas, convivendo com grandes expressões da cultura como Vladimir Mayakovsky (1893-1930), George Grosz (1893-1959), Wassily Kandinsky (1866-1944) e Kathe Kollwitz (1867-1945).
As tonalidades expressionistas e surrealistas na obra de Doris Homann são
tributárias dessa hora de intervalo democrático e utópico entre as duas
guerras mundiais que foi a República de Weimar.
Anote: Doris Homann: A Pintura da Condição Humana (Ligia Testa Espaço de Arte – Arqtus – Avenida Dr.Heitor Penteado, 1611, Parque Taquaral, Campinas – 19 99792.7221 – Entrada Gratuita)