Salsicha é saudável? Nem sempre…

Jocielly Bobinsky @ Acervo pessoal

Coluna assinada pela chef Jocielly Bobinsky

Polêmica? Digamos que sim!
Classificadas como embutidos ou alimentos processados, as salsichas possuem altas doses de gordura saturada, sódio e também de conservantes. Quando você encontrar a sigla CMS associada à salsicha, saiba que se refere à carne mecanicamente separada – as indústrias possuem máquinas que separam a carne dos ossos para aproveitar tudo, sem desperdiçar nadinha.
Salsichas podem ser das mais variadas: tipos, modo de produção ou temperos. No Brasil, uma instrução normativa do Ministério da Agricultura estabelece algumas classificações para a venda do produto: quanto menos quantidade de carne processada na salsicha, mais qualidade – menos ingredientes extras, como amido de milho e açúcar, e melhor valor nutricional.

Enroladinho de Salsicha @ Divulgação

Para descobrir a qualidade da salsicha é importante observar o rótulo do produto. A sequência dos ingredientes é feita conforme as quantidades que compõem o produto, do maior para o menor. Por exemplo, se o primeiro ingrediente da lista for “carne mecanicamente separada” e em seguida amido de milho e só depois outro tipo de carne, fica claro qual o tipo de produto que se tem nas mãos.
Sempre leia o rótulo e procure por aquelas que tenham até 40% de carne processada. Algumas marcas levam até 60%, outras nem chegam a processar (essas são as saudáveis)
Quanto menos processada, mais saudável!
No mercado, as mais saudáveis são a salsicha Viena, Frankfurt e aves.