Documentário relembra a cena LGBTQIA+ de Salvador

O documentário batizado de Rua Carlos Gomes: Apogeu e resistência da comunidade LGBTQIA+, idealizado pelo maquiador e drag-queen, Galdino Neto, consultoria e pesquisa do ativista Genilson Coutinho e direção de Dino Neto, reúne histórias e relatos de um local icônico para o movimento LGBTQIA+ na Bahia. Com quase 60 minutos, o projeto pode ser assistido gratuitamente no canal do site Dois Terços no YouTube.

Nos anos de 1980 e 1990, a cena GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes – termo utilizado à época), se concentrava em uma região específica na Rua Carlos Gomes – a CG ou ‘Rua dos Viados’ – como era conhecida pela comunidade LGBTQIA+ da época.

Jorge Lafond e Bagageryer Spilberg em 1986 @ Acervo Pessoal

Repleto de ruas transversais, becos e vielas que ficavam lotadas, a rua era completada pelo clima de agitação, confusões e flertes. A CG era a passarela onde todos queriam desfilar entre as mesas dos bares para serem notados. Também um local de “esquenta” antes de se jogar nas casas noturnas.
Entre os nomes que foram entrevistados para o projeto estão: André Luiz Silva (Bagageryer Spilberg), Dion Santiago, Fabiane Galvão, Sérgio Augusto Duarte Tavares (Lion Schneider), Valécio Santos (Valerie O’rarah), Antônio Fernando (Âncora do Marujo), Livia Ferreira (UNALGBT da Bahia), Antônio Jorge (Boate Is’Kiss) e Genilson Coutinho.

Bagageryer Spilberg @ Reprodução

Os relatos contam histórias de ambientes como o Bar Charles Chaplin, Beco da Baiúca, Adê Alô, Boate Is’Kiss, Âncora do Marujo, Artes & Manhas, Boate BRW, Boate Caverna, Bar Cabaré 54, Bar Caras e Bocas, Freedom Music & Bar, Bar Champagne (Bar da Ray) e Bar Rosa Negra.
O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura (Prêmio Cultura na Palma da Mão/PABB) via Lei Aldir Blanc, redirecionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.