O delicado e precioso álbum ‘Nostalgia’ de Annie Lennox

Capa de Nostalgia de Annie Lennox @ Divulgação
Capa de Nostalgia de Annie Lennox @ Divulgação

Depois do fíasco de Lady Gaga tentando ser cantora de jazz em ‘Cheek To Cheek’ (gravado com Tony Bennett), Annie Lennox chegou para ‘desenhar’ para Stefani Joanne Angelina como se moderniza 12 clássicos deste estilo musical sem cair na mesmice.

Sétimo trabalho em estúdio, Nostalgia revela ao mundo outra camada vocal da cantora escocesa, surgida no Eurythmics, em 1981, com a regravação de standards dos anos de 1930 a 1940.
Produzido em colaboração de Mike Stevens, as doze canções são: “Memphis In June”, de Nina Simone; “Georgia On My Mind”, de Ray Charles; “I Put a Spell On You”, de Joe Cocker; “Summertime”, de Janis Joplin; “I Cover The Waterfront”, de Billie Holiday; “Strange Fruit”, também de Billie Holiday; “God Bless The Child”, de Shania Twain; “You Belong To Me” – Taylor Swift, Jason Wade e Lifehouse já regravaram; “September In The Rain”, de Norah Jones; “I Can Dream, Can?t I?”, de The Carpenters; “The Nearness Of You”, de Rod Stewart, além de “Mood Indigo”, de Tony Bennett.
Entenda: apesar do seu notório mau-humor, Nina pode ficar tranquila na tumba. A interpretação de Annie em ‘I Put a Spell On You’ é incrível. Moderna, forte e dramática, Annie prova sua excelência – principalmente porque não ‘copia’ o estilo da gravação original. Não, ela deu uma roupagem completamente nova.
Depois, a poderosa ‘Strange Fruit’, uma das primeiras canções sobre racismo, imortalizada pela voz de Billie, ganhou sofisticação e apuro vocal. A voz de Annie nunca esteve tão limpa e clara. Não dá para acreditar que ela foi escrita em 1939 tamanha é sua força dramática. É dilacerante. Ouça com lenços de papel ao lado.
O vozeirão de Annie garante vitalidade a ‘God Bless the Child’, outro sucesso de Billie, de 1941. É uma interpretação forte, que não recorre ao apelo fácil dos truques vocais de ficar ‘gritando’ para o deslumbre de plateias menos esclarecidas.
E assim Annie caminha com delicadeza e preciosidade pelas outras canções, terminando na saborosa ‘Mood Indigo’, nos transportando para algum bar de New Orleans da década de 20 ou 30, fazendo companhia a Bessie Smith.
Finalizando: ‘Nostalgia’ entrou em primeiro lugar na categora Álbum de Jazz na Billboard, assim como no Top 10 do Billboard 200.
Entendeu, Gaga? É preciso ser muito mais do que um fenômeno pop para se arriscar numa seara que, claramente, você não domina!

Um comentário

Os comentários estão fechados.