Glenn Close concorre pela sétima vez ao Oscar

Uma das Damas de Hollywood, Glenn Close ganhou sua sétima indicação ao Oscar pelo sensível filme ‘A Esposa’. É sua quarta com protagonista – as indicações outras foram como coadjuvantes.
O Mundo Segundo Garp’ (1982) a colocou na corrida do Oscar de Coadjuvante pela primeira vez pelo papel de Jenny Fields, uma mãe solteira que se torna um ícone feminista. Ela foi premiada pela Associação de Críticos de Los Angeles e no respeitado National Board of Review, mas era o ano da queridinha de Hollywood, Jessica Lange em ‘Tootsie’. Mesmo com a derrota, era o início de uma carreira admirável.

Glenn Close em O Mundo Segundo Garp (1982) @ Reprodução

O Reencontro’ (1983) estava recheado de jovens atores em ascensão, como Tom Berenger, Jeff Goldblum, Willian Hurt, Kevin Kline, Meg Tilly, Jobeth Willians e Mary Kay Place. Glenn foi a única lembrança na corrida do Oscar como Melhor Coadjuvante. Porém, era o ano da imbatível Linda Hunt pelo papel masculino em ‘O Ano que Vivemos em Perigo’.

Glenn Close O Reencontro (1983) @ Reprodução

Um Homem Fora de Série’ (1984) era um veículo para Robert Redford brilhar, porém, pelo papel de Iris, a namorada de infância feita por Glenn que garantiu sua terceira indicação consecutiva como Atriz Coadjuvante. Perdeu para a veterana Peggy Ashcroft em ‘Uma Passagem para a Índia’ – entenda: Hollywood estava apaixonada pelos filmes britânicos na década de 1980.
Três anos depois,

Glenn Close Um Homem Fora de Série (1984) @ Reprodução

Atração Fatal’ (1997) arrecadou impressionantes U$ 320,145,693, tornando-se o segundo filme mais visto do ano. As imagens de Glenn Close e Michael Douglas estavam nos jornais e revistas da época. O assunto – traição – tornou-se pauta em diversos programas de TV. Na corrida do Oscar, pelo papel de Alex Forest, Glenn entrava no páreo na categoria principal, mas era o ano que Cher queria ser levada à sério como atriz pela comédia ‘Feitiço da Lua’. O tempo respondeu quem realmente era ou não uma atriz séria…

Glenn Close Atração Fatal (1987) ©Paramount/courtesy Everett Collection

‘Ligações Perigosas’ (1988) foi o filme mais badalado do ano. Glenn Close, John Malkovich, Michelle Pfeillfer, Uma Thurman e Keanu Reeves numa intricada trama entre nobres do século XVIII dirigida com muito talento por Stephen Frears. Apesar da sensacional atuação de Glenn como a Marquesa Isabelle de Merteuil, ela perdeu sua quinta chance ao Oscar para Jodie Foster em ‘Acusados’.

Glenn Close Ligações Perigosas (1988) @ Reprodução

‘Albert Nobbs’ (2011) — Com o final da década de 80, Close sumiu da corrida pelo Oscar. Voltou à Broadway, ganhando três Tonys, três Emmys e dois Globos de Ouro (ela ganhou o terceiro em 2019) e se torna o terror infantil como Cruela Cruel em ‘101 Dálmatas’. Seu retorno a corrida aconteceu com um antigo projeto pessoal da mulher que foi obrigada a se passar por homem em ‘Albert Nobbs’ para poder trabalhar como Mordomo. Mas era o ano do terceiro Oscar de Meryl Streep em ‘A Dama de Ferro’.

Glenn Close Albert Nobbs (2011) @ Reprodução

A Esposa’ (2019) — Close recebe sua sétima indicação ao Oscar pelo papel de Joan Castleman, a oprimida esposa do escritor vencedor ao Nobel de Literatura. O filme transita entre o presente e o passado para contar a estória de uma futura brilhante escritora que abdica da carreira em favor do marido. É uma atuação simplesmente incrível. Já rendeu o Globo de Ouro de Melhor Atriz e o Critic’s Choice Award.
O resultado da premiação do SAG Awards do domingo, 27 de janeiro, será uma prévia se a Academia finamente reconhecerá ou não o talento dessa sensacional atriz que completará 72 anos em 19 de março.

Glenn Close em A Esposa (2018) @ Sony Pictures Classics