Uvas e romãs celebram o Ano Novo

Ana Barbosa @ Divulgação

Coluna assinada pela gastrônoma Ana Barbosa

Estamos na reta final de 2021 e naturalmente nos nutrimos de expectativas positivas, novos sonhos e possibilidades. Mas você sabia que antigamente, a comemoração do início do ano novo era outra? E que por conta da mudança de calendário, crenças religiosas e a localização geográfica, esta celebração é comemorada em datas diferentes em alguns países?
Aqui no Brasil seguimos o calendário gregoriano desde o século XVI e comemoramos a virada do ano no dia 1° de janeiro. No século V, porém, a celebração acontecia entre os dias 25 de março a 1° de abril. Muita história rolou até a data ser definida e esse é um papo para uma outra matéria.
Um fato interessante é a relação das mudanças das datas do ano novo com o Dia da Mentira. Pasmem, por conta de alguns cristãos mais conservadores que resistiram a nova data estipulada e continuavam a comemorar a virada do ano no dia 1º de abril, eles recebiam convites de zombarias para festas que não existiam, a partir daí o Dia da Mentira foi criado.
Além de chamarmos de ‘Ano Novo’, utilizamos a palavra Réveillon, que só pela pronúncia já sabemos que se trata de uma palavra da língua francesa. E, serei sincera, nunca havia parado para pensar sobre seu significado até o dia de hoje, em que escrevo a vocês.
Olha que legal: em sua tradução literal, Réveillon significa acordar, ou seja, é o despertar para um novo ano. Achei sensacional!
Agora por que usamos essa palavra? Em princípio, este termo era relacionado a uma refeição leve feita à noite e que dificultava as pessoas dormirem. A datar do século XVII, começou a ser usada para as festas realizadas pela nobreza francesa, e que tinha duração de uma noite inteira. E, algum tempo depois, após a nobreza de outros países adotarem a palavra Réveillon, o mundo inteiro passou a usar também.

Alimentos

Uvas @ Reprodução

Existem tradições – sejam através de rituais e/ou superstições religiosas – que envolvem alimentos. Alguns trazem significados de bom presságio.
Na virada do ano, é comum termos a mesa grãos, pois são alimentos que nos remete a abundância e a fertilidade. Assim como duas frutas: uvas e romãs. Elas fortalecem a ideia de abundância e riqueza.
Existe o costume de comer algumas sementes de romã no dia de Reis (6 de janeiro) e também guardá-las na carteira para ter sorte durante o ano todo.
Aproveitando a deixa sobre a romã, uma fruta que além de deliciosa, rende uma boa sobremesa para você comer com a sua família, então abaixo deixo a vocês uma receita de Cheesecake de limão com calda de Romã:

Ingredientes:
Massa:
200 g de biscoito de maisena
150 g de margarina
Recheio:
1 lata de leite condensado (395 g)
1 caixa de creme de leite (200 g)
suco de 4 limões
raspas de 2 limões
Calda:
400 ml de água
200 gramas de açúcar
4 unidades de semente de romã
½ suco de Limão
Modo de Preparo:
Massa:
Triture o biscoito de maisena em um liquidificador ou processador, junte a manteiga e bata mais um pouco ou amasse com as mãos até ficar homogênea. Coloque a massa em uma forma de fundo removível de 27 cm de diâmetro. Com as mãos, espalhe a massa de biscoitos no fundo e nas laterais da forma, cobrindo toda área de maneira uniforme. Leve ao forno médio – 180° C, preaquecido, por aproximadamente 10 minutos.
Recheio:
Bata todos os ingredientes no liquidificador (exceto as raspas de limão) até obter um creme liso e firme. Recheie a massa já assada e leve à geladeira por 30 minutos.
Calda:
Em uma panela, coloque as sementes de romã, a água, o açúcar e o limão, mexa até misturar e leve ao fogo médio até chegar ao ponto de calda. Retire do fogo e deixe esfriar, pode ser naturalmente ou na geladeira. Sirva em seguida.