Qual é sua música tema?

Num dos episódios de ‘Ally McBeal’, sucesso dos anos 90 do extinto canal Fox, a personagem principal é questionada por sua terapeuta que pergunta Qual é sua música tema?. Na divertida série, a adoravelmente maluca advogada (Calista Flockhart) demora alguns episódios para ter a resposta.
Afinal: qual a canção que desperta emoções, saudades, lágrimas, alegria, vontade de dançar… Ou te leva para algum momento guardado com carinho em sua memória… Ou seja, aquela que te motiva… Para continuar sua jornada ou até ajudar para entender se está no caminho certo ou não.
Depois de algum tempo, Ally chegou a uma resposta.
Evocando a sensacional série (1997-2002), MONDO MODA perguntou para um grupo de leitores: “Qual é sua música tema?”
Kátia El Badouy – Arquiteta: “Penso que cada fase e momento em minha vida tiveram músicas marcantes. Definir uma como tema me deixou em dúvida. Então, para o atual momento escolhi a canção no qual arranjo e melodia me conduzem as minhas origens. Com ela consigo meditar e me ver livre dançando no deserto: ‘Desert Rose’ – Sting”

Jocielly Bobinsky – Chef: “Vento no litoral (Legião Urbana) abrange várias fases da minha vida. Deixar as ondas e o vento levar o que não é essencial. E como fala no início da música. Se existe amor de verdade não existe sofrimento”.

Andrea Mesquita – Jornalista: “A música que me representa é ‘Sandra Rosa Madalena’ (Sidney Magal). Posso estar triste, cansada, acabada, começou essa música eu paro tudo para cantar, se for o caso, até dançar. E ela ficou tão marcada em mim que em qualquer festa que eu vá meus amigos a colocam para eu dançar. Eu sou fã do Magal até demais, gosto de tudo dele, mas essa é especial. A canção foi lançada em 1978 – tinha apenas seis anos- mas até hoje lembro o impacto que aquele homem alto dançando me causava”.

João Paulo Faccio – Executivo de Contas: “Olha, estava pensando aqui e tenho uma que é da hora. Gosto muito de rap, né? Tanto nacional como internacional. E sempre escuto e tal… E estava ouvindo esse som no dia que fui dispensando de uma agência em 2016: ‘Levanta e Anda’ do Emicida”.

Ana Paula Barros – Arquiteta e Designer: “Uma música que me traz boas lembranças é ‘Today’ da banda The Smashing Pumpkins. Lembro-me de uma época que fiz boas amizades e que me acompanham até os dias atuais. Inclusive com dois desses amigos, tive uma banda e essa música fazia parte do repertório. Aliás, pensando bem, o álbum inteiro, o Siamese Dreams é uma viagem. Eu tive dois CDs, pois um acabou riscando de tanto que eu ouvi. E atualmente, quando quero me desconectar e ir para outro lugar, é a minha escolha certeira. Recomendo ouvir na ordem em que foi composto para uma melhor experiência”.

Cynthia Rubio – Empresária: “‘Encontros e Despedidas’ do Milton, mas na voz da Maria Rita. Ouvia essa música quando criança na voz do Milton e já achava linda e me fazia pensar nessa questão de ‘o mesmo trem que chega, é o trem da partida’. E depois, mais velha, ela foi fazendo cada vez mais sentido. E claro que depois da Partida do Arian, ela ganhou uma grande importância na minha vida”.

Bruno Desenso Monteiro – Chef: “‘Do It’, Spice Girls. Essa musica tem um grande significado para mim, pois quando eu estou triste ou me sentindo pra baixo, ela me motiva. O refrao diz: Come on and do it, Don’t care how you look, it’s just how you feel, Come on and do it, You’ve gotta make it real, Come on and do it, It’s time to free what’s in your soul, You’ve got to get it right, this time, Come on, freak out lose control… Toda vez que eu ouço, presto atenção na letra e já ‘fico pra cima!'”.

Adelaine Cruz – Jornalista: “Uma só? Putz… Dancing Days (As Frenéticas – 1978). Remete a uma época extremamente feliz da minha vida, a adolescência, coincidentemente a década da Disco Music. Também amava a Sônia Braga na novela, apesar de a minha idade à época ser (próxima) a da Glória Pires”.

Micaela Huertas – Livreira: “Nossa, eu nunca consigo definir uma música. Tenho muitas especiais conforme o humor ou a época. Veio na cabeça ‘The Diamond Sea’ do Sonic Youth, porque é uma que vai e volta na minha vida”.

Lalá Ruiz – Jornalista: “’Mercy, Mercy, Mercy’, composição do pianista de jazz Joe Zawinul, me toca de maneira especial. Por muito tempo cultivei o hábito de comprar discos por curiosidade ou porque estavam em promoção. Claro que me dei mal por diversas vezes. Mas, entre os muitos acertos está um CD da série Jazz Profile dedicado ao saxofonista Cannonball Adderley, uma compilação de performances ao vivo realizadas pelo músico e seu grupo na década de 1960. Uma das faixas é justamente ‘Mercy, Mercy, Mercy’. É uma música que me puxa ‘pra cima’. Talvez pelo ‘discurso’ que Cannonball faz na introdução, ou pela força do tema mesmo, mas, não tem como não se sentir bem quando se escuta ‘Mercy, Mercy, Mercy'”.

Roseana Monteiro – Arquiteta: “‘Dancing Queen’ do Abba me faz ter vontade de sair dançando. E se estou triste me anima. Das clássicas o ‘Bolero’ de Ravel me injeta uma dose de energia! ‘La vie en rose’ da Edith Piaf também mexe comigo”.

Juliana Freitas – Jornalista: “‘O Que é O Que É?‘, do Gonzaguinha. Porque me remete à minha infância, quando eu era uma menina totalmente Poliana. Eu até chorava de emoção quando ouvia essa música. Achava que era real”.

Flávia Jorge – Dentista e Mãe da Elena: “‘All Star’, do Nando Reis. Lembranças das rodas de violão na faculdade. Uma letra linda que nos remete ao melhor que podemos ver em alguém ‘Estranho seria se eu não me apaixonasse por você’. E Nando Reis é anti fascismo. Sempre maravilhoso”.

Fabiana Schoqui – Jornalista: “‘YMCA, do Village People. Adoro. Dançava muito com minhas amigas na balada e sempre que ouço me anima e ‘Aquarela’, do Toquinho. Desde a infância, lembro-me da minha mãe cantando pra gente, amo e tenho recordações no coração!”.