O Fabuloso Destino de Amelie Poilan destaca o Crème Brûlée

Ana Barbosa @ Divulgação

Artigo assinado pela gastrôloga Ana Barbosa

Como toda boa sobremesa, muitas vezes a origem vem regada de uma história curiosa, disputa sobre sua origem, acusações de plágio, etc. Não poderia ser diferente com o delicioso Crème Brûlée, na tradução literal: creme queimado – creme de leite, ovos, açúcar e baunilha, e para finalizar, uma cobertura dura de caramelo.
Vamos aos fatos: os espanhóis acusam os franceses de plagiar a sobremesa originalmente conhecida como Crema Catalana – feito com creme de confeiteiro à base de gema de ovo, coberto por uma camada de açúcar caramelizado. O que faz com que a superfície fique crocante, bem parecido com o Crème Brûlée, não é mesmo?!
O creme espanhol aparece nos livros de receitas medievais catalães em 1324 no “Llibre de Sent Soví” e em 1490 no “Llibre del Coch”. Considerado uma das sobremesas mais antigas, o creme é uma adaptação que já existia na República Romana, bem antes de Cristo.
Já a origem do Crème Brûlée, surgiu na França pela primeira vez em 1690, no livro “Le Nouveau Cuisinier Royal Et Bourgeois Ou Cuisinier Moderne”, do chef francês François Massialot.
E a disputa não para por aí, a Inglaterra também entrou na disputa. Na Grã-Bretanha, existe uma referência, datada de 1879, com o nome de Burnt Cream – bem similar ao creme francês.
Enfim… Quem realmente criou este creme é uma incógnita.

Crème Brûlée @ divulgação

Em 2001 apareceu no filme “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”. É a estória de Amélie, uma jovem do interior que se muda para Paris e começa a trabalhar em um café. Num belo dia, ela encontra uma caixinha dentro de seu apartamento e decide procurar o dono.

Ela é órfã e busca interação com as pessoas. De começo por curiosidade em saber quem era o inquilino que alugava o apartamento em que mora que deixou a caixa.
No trabalho, entre um intervalo e outro, saboreia o delicioso Crème Brûlée. Numa cena épica, Poulain segura uma colher de sobremesa em close e depois começa a quebrar o açúcar caramelizado.
Deu água na boca, né?!
Confira a receita original.

Ingredientes
– 180 g de leite integral/gordo (200 ml | 3/4 xícara + 1 colher de sopa)
– 175 g de creme de leite fresco/nata fresca (200 ml | 3/4 xícara + 1 colher de sopa)
– 80 g de açúcar branco (1/2 xícara)
– 4 gemas de ovos
– 10 g de extrato ou sementes de 1 fava de baunilha (10 ml | 2 colheres de chá)
– 20 g açúcar demerara ou amarelo ou cristal branco para o caramelo (4 colheres de chá)

Modo de preparo
Pré-aqueça o forno na temperatura de 100°C. Em uma panela pequena, coloque o leite, creme de leite, sementes de baunilha e a fava sem sementes. Na temperatura média, misture os ingredientes, desligue o fogo assim que levantar fervura. Deixe repousar de 10 a 15 minutos, para que o sabor da baunilha seja incorporado ao creme. Por fim, retire a fava de baunilha que pode ser lavada, seca e reutilizada em outra receita. Reserve.
Em uma cumbuca, misture as 4 gemas com o açúcar, usando uma espátula de silicone ou colher sem criar espuma, mexa delicadamente até que as gemas e o açúcar fiquem homogêneos, deixe repousar de 10 a 15 minutos.
Com um coador adicione aos poucos a mistura de leite, creme de leite e baunilha, misturando delicadamente a cada adição à mistura de açúcar e gemas.
Transfira o creme para os 4 ramequins, coe novamente para eliminar qualquer resíduo. Em seguida, coloque os 4 ramequins no forno devidamente pré-aquecido. É importante que a temperatura se mantenha a 100°C. Asse por cerca de 1 hora, dependendo do forno pode ser mais – 1 hora e meia.
*Dica: 0 ponto certo do crème brulée é quando o creme está com as bordas mais sólidas e o centro ainda gelatinoso. Ao tocar o ramequim, o centro deve chacoalhar como se fosse uma gelatina mole. Se ainda estiver líquido, deixe no forno por mais tempo.
Retire do forno e deixe esfriar por cerca de 1 hora
Refrigere o creme: Cubra os ramequins com plástico filme e leve à geladeira por no mínimo 2 horas. Recomendamos que fique na geladeira por 24 horas.
Prepare o caramelo: Quando quiser consumir, retire da geladeira e coloque 5 g de açúcar (1 colher de chá) sobre o crème brûlée. Queime com um maçarico culinário potente.
Um maçarico fraco irá acabar por cozinhar e aquecer o crème brûlée. Um maçarico potente queima o açúcar rapidamente e mantem o crème brûlée resfriado.

Um comentário

  1. Muito interessante saber a história e poder apreciar a sobremesa preferida e requerida como propriedade por territórios gourmets por excelência.

    Curtir

Os comentários estão fechados.